Os trotes do Bart são engraçados, mas o fato de 30% das ligações que pedem ambulância no Rio serem falsas não é. Exatamente por isso, foi criada uma lei interessante por lá, que entrou em vigor na segunda-feira: quem passar trote para serviços públicos recebe multa cobrada na própria conta de telefone.

Além das 30% de ligações falsas para o Samu, 15% das chamadas para o 193 dos bombeiros são trotes, assim como 18% das chamadas para a polícia (4 mil pedidos falsos por dia, só no município do Rio). Isso provoca também – como qualquer um que tenha chamado o 190 nos últimos tempos – uma certa demora no atendimento, já que a pessoa do outro lado da linha tem de se certificar que a emergência é verdadeira. Diz o Jornal do Brasil: 



A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros já haviam padronizado algumas técnicas para identificar a veracidade da informação que vem do outro lado da linha.

No 190 por exemplo, além de passarem por um período de treinamento onde aprendem a lidar com pessoas que ligam sob forte tensão e a gerenciar crises, os atendentes, que são terceirizados, desenvolvem técnicas para desmascarar um aviso falso.

– Se, aparentemente, alguém se passa por criança, perguntamos a idade, o ano de nascimento e a data. Se for mentira, geralmente a pessoa se enrola – explica o superintendente de comando e controle da PM, coronel Almeida Neto. – Quando identificamos que o trote vem de um orelhão, alongamos a conversa para que dê tempo de uma patrulha chegar ao ponto de origem da ligação.

A lei 5.784/10 é de autoria do deputado Flávio Bolsonaro (PP), que quer educar as pessoas. Por educar, leia-se cobrar todo o dinheiro gasto em operações que acabam sendo ma perda de tempo (como isso vai ser calculado, não sabemos). Bolsonora explicou o projeto à Associação dos Oficiais Militares do Rio de Janeiro

“É uma proposta de caráter educativo que busca única e exclusivamente acabar com este hábito, que prejudica o atendimento da polícia e bombeiros e os cofres públicos, já que gasta-se tempo e dinheiro no deslocamento para atender a chamados falsos”, argumentou Bolsonaro.

Segundo o parlamentar, a intenção é educar, e não punir, além de reduzir custos do Estado “A maioria dos trotes são passados por crianças e adolescentes, e muitas vezes os pais não sabem. Quando uma multa chegar pela conta de telefone, os pais vão poder conversar com os filhos e orientá-los. E o dinheiro gasto com esses deslocamentos desnecessários poderá ser investidos em outras áreas”.

Lendo sobre a notícia no Tecnoblog descobri que chamadas para o 911 (o popular número de emergência nos EUA, que aparece em todos os filmes) são redirecionadas para o 190. Por isso que quando pergunto por Axel Foley ninguém sabe dizer onde ele está. Nem quando eu cantarolo a musiquinha.

[IDG e JBOnline]