Cirurgias com assistência de robôs estão começando a invadir os hospitais, mas essas máquinas sempre são controladas por um cirurgião humano. Agora um robô está costurando cortes nas entranhas de porcos vivos por conta própria.

Colocar um robô para realizar uma cirurgia autonomamente em tecidos macios, como nas nossas entranhas, é complicado. Em primeiro lugar, é difícil dizer quando começa uma coisa e quando termina outra. Depois, é bem escorregadio dentro do corpo humano, o que dificulta o monitoramento de onde estão as coisas, aumentando o problema.

Pesquisadores do Children’s National Medical Center em Washington DC, nos EUA, não deixaram o robô fazer a cirurgia sozinho. Eles adicionaram marcações fluorescentes na superfície do intestino do porco, o que permitiu que o STAR (Smart Tissue Autonomous Robot) ver exatamente o que acontecia via câmeras 3D e imagens quase-infravermelho.

Ao usar informações desses sensores, o STAR conseguiu costurar um corte cirúrgico nas entranhas de quatro porcos diferentes sem auxílio. Em comparação com o trabalho de um cirurgião humano, o resultado foi consistente, colocando as suturas de forma mais uniforme do que médicos de carne e osso fazem.

Mas foi lento – bem lento. Um procedimento que é realizado em 8 minutos por um cirurgião humano demora 50 minutos quando é feito pelo robô. Ainda assim, se ele for acelerado, pode ser usado para finalizar uma operação enquanto o cirurgião se prepara para a próxima tarefa. Os resultados foram publicados na Science Translation Medicine.

Agora a equipe planeja desenvolver o STAR para testes em humanos. Os pesquisadores acreditam que o robô pode ser usado para ajudar médicos a realizarem algumas cirurgias simples, como apendicectomia.

[Science Translational Medicine via New Scientist]

Foto via Medical Illustration, Wellcome Images