Engenheiros japoneses criaram robôs que conseguem cumprir com maestria uma série de tarefas triviais, mas que exigem bastante de cérebros eletrônicos –como descascar uma banana, por exemplo. Por mais que pareça algo simples, o procedimento requer uma manipulação hábil e uma execução delicada.

O projeto foi liderado pelos pesquisadores Heecheol Kim, Yoshiyuki Ohmura e Yasuo Kuniyoshi, da Universidade de Tóquio. Eles desenvolveram um algoritmo em que o procedimento de descascar a banana é repetido por um humano centenas de vezes, até que o robô tenha dados suficientes para aprender e executar a tarefa. É o que cientistas chamam de deep learning.

Descascar uma fruta macia é considerado um desafio, pois é preciso ter um toque sutil e destreza para não destruí-la. Além disso, a forma irregular de uma banana, assim como os diferentes tipos e tamanhos de fruta, pode confundir os algoritmos.

O estudo –publicado no site ArXiv— menciona que os dois braços robóticos demoram cerca de 100 segundos para descascar a banana. Nesse meio-tempo, o robô pega a fruta com uma das mãos, segura a ponta da banana com a outra, puxa delicadamente um lado da casca, vira a fruta e descasca o outro lado.

Ao todo, foram mais de 13 horas de treinamento para que os primeiros resultados surgissem. O procedimento pode ser visto no vídeo abaixo.

Aplicações futuras para os robôs

De acordo com  agência Reuters, o grau de sucesso no descascamento automatizado de banana é de apenas 57%. Porém, a tecnologia é promissora, permitindo que, no futuro, robôs possam realizar tarefas como mover peças ou entregar uma xícara de café.

A ideia é que esses tipos de robôs possam aprender outras tarefas simples e suprir a escassez de mão de obra no Japão, principalmente em restaurantes ou fábricas de alimentos, que são altamente dependente de humanos.