Um dos grandes lançamentos da Samsung deste ano, o Galaxy S9 vai começar a ser vendido oficialmente no Brasil nesta sexta-feira (20). No entanto, um baita problema deve atrapalhar, pelo menos um pouco, a logística de distribuição dos smartphones pelo Brasil.

Isso porque uma carga avaliada em US$ 1 milhão (cerca de R$ 3,4 milhões) contendo uma quantia não revelada de aparelhos Galaxy S9 foi roubada do terminal de carga do Aeroporto Internacional Tom Jobim, segundo o Sindicarga (Sindicato de Empresas de Transporte Rodoviário e Logística do Rio). Fazia parte da carga também: três televisores, câmeras digitais e medicamentos. As informações são do G1 e do Extra.

Galaxy S9 e S9+ chegam ao Brasil custando R$ 4.299 e R$ 4.899
Hands-on: Galaxy S9, um competidor à altura do iPhone X

O roubo ocorreu no último domingo (15). No entanto, a operação só ficou conhecida pelo público nesta quarta-feira (18) após o diretor de segurança do sindicato, coronel Venâncio Moura, ter feito uma denúncia relatando o ocorrido.

De acordo com o sindicato, a companhia tinha preferido o transporte aéreo do Espírito Santo para o Rio de Janeiro em detrimento do rodoviário por causa da alta ocorrência de roubo de carga na cidade nos últimos meses. Mesmo assim, isso não impediu de três homens armados entrarem no terminal de cargas no aeroporto, renderem os funcionários e irem exatamente na carga que continha os smartphones.

Infelizmente, a história mostra um pouco o retrato da segurança pública no Brasil. A carga continha um sistema de rastreamento por GPS e a localização apontava para um local atrás de um batalhão da polícia militar. Mais especificamente na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré.

“A polícia não teve recursos materiais nem humanos para ir lá resgatar esta carga”, disse Moura em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo.

Em sua defesa, a polícia militar informou que só soube do roubo de carga na noite de segunda-feira (16) e, mesmo assim, por meios informais — não foi feita uma ligação para o 190. Além disso, o comandante do batalhão da polícia teve de analisar a melhor forma de proceder, pois já havia passado tempo hábil e eles precisavam proteger a segurança dos moradores do local.

Já a polícia civil disse que o caso foi registrado e que a DRFC (Delegacia de Roubos e Furtos de Carga) está investigando a ocorrência.

Questionada sobre o incidente, a Samsung enviou o seguinte comunicado:

A polícia está investigando o incidente, e vamos cooperar plenamente com as autoridades

Receptadores

Como em boa parte do roubo de cargas, só existe a infração, pois há receptadores. O jornal Extra relata que a polícia está de olho em sites de venda pela internet com ofertas do aparelho.

Segundo aponta a publicação, o Galaxy S9 tem sido vendido por cerca de R$ 3.000 — quando o preço original varia entre R$ 4.299 e R$ 4.899.

Esta não é nem de longe a primeira vez que isso acontece com a Samsung. Em 2014, bandidos roubaram cerca de R$ 80 milhões de tablets e celulares de uma fábrica da empresa em Campinas (SP). Em 2015, em um outro incidente também em Campinas, foi roubada uma carga de eletrônicos da companhia sul-coreana avaliada em R$ 1 milhão.

A situação não está nada fácil para quem transporta eletrônicos de consumo pelo Brasil.

[G1, JN e Extra]