Em novembro, a Rússia perdeu contato com seu satélite de US$ 45 milhões. E pelo que parece, isso aconteceu porque o satélite meteorológico Meteor-M foi programado com coordenadas incorretas.

Na quarta (27), Dmitry Rogozin, representante do primeiro ministro, disse ao canal de TV Rossiya 24 que um erro humano era responsável pela falha, de acordo com a Reuters. Apesar do Meteor-M ter sido lançado em novembro do cosmódromo Vostochny no Extremo Oriente Russo, ele foi programado com as coordenadas do cosmódromo de Baikonur, localizado no sul do Cazaquistão.

“O foguete foi realmente programado para sair de Baikonur”, disse Rogozin. “Não foram inseridas as coordenadas corretas”.

E o foguete estava carregado com uma importante carga: “18 satélites menores de companhias cientificas, de pesquisas e comerciais da Rússia, Noruega, Suécia, EUA, Japão, Canadá e Alemanha”, aponta a Reuters.

Erros de programação humana e falhas técnicas não são incomuns em voos espaciais. Inclusive, essa não é a primeira falha recente da Rússia. Em 2015, um de seus foguetes explodiu minutos após o lançamento, destruindo um satélite de comunicação do México. E ano passado, o satélite japonês Hitomi, de US$ 273 milhões, foi declarado perdido depois de desintegrar e sair de órbita. A causa é amplamente atribuída a um erro humano.

O caro erro da Rússia surge pouco demais do programa espacial Roscosmos ter de cortar 35% do orçamento este ano. Além disso, uma auditoria em 2015 na agência espacial Russa encontrou US$ 1,8 bilhões em violações fiscais.

[Reuters via Engadget]

Imagem de topo: Roskosmos via Facebook