O grande ponto crítico da matéria do Wall Street Journal intitulada “Apple, Google Collect User Data” é o fato de o Google coletar informações de seus aparelhos por meio de hotspots Wi-Fi e aparentemente marcar essas informações com “um identificador único preso ao smartphone”, que envia tudo ao Google “pelo menos várias vezes por hora”.

A informação foi revelada pelo consultor de segurança Samy Kamkar, que verificou suas descobertas com um consultor independente, Ashkan Soltan.

O Google diz que a informação é completamente anônima, mas ao marcar a informação de localização de cada aparelho com um identificador único, ele potencialmente mapeia os movimentos do celular e de seu dono, independente da super proteção ou do anonimato que o Google promete, principalmente pela frequência que a informação é enviada. (Que é algo diferente, por exemplo, do sistema da Apple, que junta todas as informações de localização em uma pilha só, sem um identificador único — em tese, se o Google simplesmente mapeasse os hotspots Wi-Fi e as torres de telefonia, a informação já seria útil mesmo sem a identificação única.)

Resumindo então? Seu celular e algumas empresas sabem sempre onde você está. Onde você esteve ontem, anteontem, semana passada e assim por diante. [WSJ]