Você certamente conhece alguém que acumula várias sacolas plásticas de mercado em casa para quem sabe um dia achar uma forma de reutilizá-las. Agora, graças a engenheiros australianos, essas sacolas podem não apenas ganhar um novo propósito como podem se tornar a tecnologia do futuro.

Uma equipe da Universidade de Adelaide recentemente desenvolveu um método para transformar sacolas plásticas em nanotubos de carbono. Para ser mais específico, eles cresceram nanotubos em membranas de alumina a partir da vaporização dos sacos plásticos em um forno, e então mergulharam as moléculas isoladas de carbono nas membranas. Nanotubos de carbono estão entre os materiais mais fortes e duros conhecidos pelo homem e podem ser usados para tudo, desde eletrônicos a turbinas eólicas. E esse novo processo cria nanotubos ao mesmo tempo que ajuda a minimizar o problema do lixo.

Esta não é a primeira vez que cientistas desenvolveram nanotubos de carbono a partir dos restos de sacolas plásticas. Em 2009, uma equipe do Laboratório Nacional de Argonne, em Illinois, nos EUA, criou um processo para converter os sacos em nanotubos de carbono usando um catalisador de acetato de cobalto. Eles então usaram os nanotubos para produzir baterias de íon-lítio. O problema com este método, no entanto, era que o cobalto usado era bastante caro, e apenas um quinto do material das sacolas plásticas era convertido para ser usado nos nanotubos.

O novo método australiano é mais barato e mais eficiente. E ambos transformam o lixo em algo que pode ser útil, em vez de simplesmente ocupar espaço no armário da sua cozinha. [PhysOrg]