Em 2006, Chang Dong-hoon entrou para a Samsung com o objetivo de torná-la uma líder em design. Ele já foi chamado pelo Financial Times de “Jony Ive da Samsung”. Até então, Chang supervisionava o design de todos os produtos móveis – celulares, tablets e outros – da coreana. Hoje, ele deixa o cargo, em meio a críticas ao visual do Galaxy S5.

Chang parecia ter uma visão interessante sobre o design do Galaxy S III, inspirado por seixos de um rio em Cingapura. Mas no Galaxy S4, a traseira já parecia lisa demais, sem dar uma sensação premium a um dos dispositivos mais importantes da Samsung. O Galaxy Note 3 tentou resolver o problema com uma textura falsa de couro, o que não ajudou muito.

E agora temos o Galaxy S5 com a traseira cheia de pontos, o que faz sentido num ponto de vista ergonômico, mas não dá o visual premium de um aparelho que custa até R$ 2.599. Na cor dourada, ele lembra um band-aid.

A Samsung diz que Chang não foi demitido: ele já comandava a equipe de Estratégia de Design, e agora se concentrará mais neste trabalho – que supervisiona, de forma geral, o visual de todos os produtos da coreana.

E Chang tem uma estratégia, chamada de “Design 3.0”, que procura ir além do visual externo e conveniência de uso, focando em criar experiências “significativas” para o usuário. O que isso quer dizer? Ele explica à Forbes:

O design trabalha em conjunto com a engenharia, planejamento do produto e marketing da empresa. Temos como objetivo proporcionar uma experiência fluida e conveniente para os consumidores em todo o nosso ecossistema de produtos. Assim, no design do Galaxy S4, você pode ver claramente a linguagem de design de outros produtos da Samsung.

Ou seja, realmente era o objetivo da coreana deixar todos os seus produtos bem semelhantes. Esta estratégia vem sendo implementada desde 2011.

Chang também parece ser um defensor do uso de plástico nos smartphones. Em 2013, ele foi citado pelo Financial Times:

Respondendo à pergunta de um repórter sobre o motivo de smartphones como o Galaxy S3 serem feitos de plástico, em vez de vidro e metal do iPhone, Chang explicou que há “limites de engenharia para o número de antenas que precisam estar no celular”, acrescentando: “design e material são uma questão de gosto pessoal, eu acho”.

E quem vai chefiar o design de celulares e tablets? Lee Min-hyouk, que se tornou vice-presidente de design móvel em 2010, graças ao seu papel no design do primeiro Galaxy S.

Será que, com ele, veremos uma mudança nos rumos de design daqui para a frente? É esperar para ver: apesar das críticas, o Galaxy S5 vendeu mais que o S4 no lançamento. [Reuters via TechCrunch e Financial Times]

Foto por Samsung