Até o século 19, muito da técnica inventada por Gutenberg ainda era usada nos trabalhos de impressão. Para imprimir um livro ou jornal, era necessário colocar a mão na massa e sujar as mãos de tinta em cada etapa da impressão. Mas isso logo mudou.

Com a Revolução Industrial, começaram as tentativas de mecanização. Entraram em cena as engenhocas a vapor, as primeiras prensas cilíndricas e as bisavós das rotativas que hoje estão nos parques gráficos dos jornais. Gradativamente, estes mecanismos foram cedendo espaço aos elétricos até a chegada dos computadores nos anos 1970. E ai muita coisa mudou – e continua mudando.

O mundo vive agora uma efervescência da tecnologia pessoal e móvel. A mais recente novidade que está se disseminando por áreas como publicidade e transações financeiras é a tecnologia NFC (near-field communication), um padrão de comunicação sem fio de curto alcance. Essa tecnologia permite, por exemplo, que você pague uma conta com seu smartphone ao aproximá-lo de um sensor. Mas não só.

Com o App Samsung Mobile Print instalado no seu celular, basta sacar seu dispositivo, aproximá-lo da impressora multifuncional da companhia, selecionar o documento ou imagem e… voilà. Imprimiu. Acabou aquela chateação de ter de mandar o arquivo para um computador desktop e, dali, poder imprimi-lo. Com uma impressora Samsung, esse processo ficou infinitamente mais fácil.

Toda a configuração pode ser feita sem a necessidade de um PC, bastando apenas a permissão de usuário na rede. Mais uma vez, como no tempo de Gutenberg, a história se repete: já havia a tecnologia. Só era preciso que alguém entendesse a melhora forma de usá-la. A Samsung entendeu.