Em parceria com a Prefeitura de São Paulo, a MasterCard vai começar a implantar o pagamento por aproximação nos ônibus da cidade. Assim, para aqueles momentos em que você não tem dinheiro na carteira e está sem saldo no bilhete, será possível simplesmente encostar o seu cartão de crédito, débito ou pré-pago no validador perto da catraca para pagar a passagem.

Para quem já tem o cartão cadastrado em smartphones, smartwatches ou pulseiras de pagamento com conectividade via NFC, será ainda mais fácil, podendo aproximar o próprio dispositivo. Segundo a assessoria de imprensa do SPTrans, serão aceitas as bandeiras Mastercard e Visa, sendo que os cartões com bandeira Elo estão em processo de inclusão.

O projeto ainda está em sua fase inicial e, neste primeiro momento, cerca de 200 ônibus municipais que operam em 12 linhas da cidade receberão a tecnologia. A partir de 14 de setembro, você vai poder testar esse novo meio de pagamento nas seguintes linhas:

2590/10 — Pq. D. Pedro II/União de Vl. Nova

4031/10 — Metrô Tamanduateí/Pq. Sta. Madalena

6030/10 — Term. Sto. Amaro/UNISA-CAMPUS 1

917M/10 — Metrô Ana Rosa/Morro Grande

2002/10 — Term. Bandeira/Ter. Pq. D. Pedro II

715M/10 — Lgo. da Pólvora/Jd. Maria Luiza

908T/10 — Butantã/Pq. D. Pedro II

9300/10 — Ter. Pq. D. Pedro II/Ter. Casa Verde

9500/10 — Pça. Do Correio/Term. Cachoeirinha

5129/10 — Term. Guarapiranga/Jd. Miriam

807M/10 — Shop. Morumbi/Term. Campo Limpo

675R/10 — Metrô Jabaquara/Grajaú

Segundo comunicado da Mastercard, o objetivo é “democratizar a alternativa para os cidadãos da capital” e “simplificar o trajeto para os mais de 2 milhões de turistas estrangeiros que visitam a cidade”. Os cartões emitidos fora do país também serão aceitos.

De fato, existem algumas limitações que indicam que o projeto tem como foco atender estrangeiros. Nesta fase inicial do projeto, por exemplo, “não haverá integração tarifária com outros ônibus ou com os sistemas de trilhos”, explica o SPTrans. Para quem é estudante, não será possível utilizar o benefício com o pagamento via NFC – será cobrado o valor inteiro de R$ 4,30.

Também haverá um limite de compra de 5 passagens em meia hora e 10 passagens por dia durante a fase piloto. Sobre os cartões que possuem função débito e crédito, o SPTrans afirma que o tipo de cobrança “depende da aplicação principal do banco ou emissor do seu cartão”.

Perguntamos ao Nubank como isso iria funcionar, e eles explicaram o seguinte: por padrão, o pagamento é feito na função crédito. Caso a pessoa tenha habilitado o contactless para fazer compras no débito, a tarifa será descontada na Nuconta da pessoa. À princípio não será possível mudar o padrão, mas a fintech diz que trabalha para tornar essa decisão mais flexível.

São Paulo não é a primeira cidade brasileira a implantar essa tecnologia no transporte público. Em abril deste ano, o MetrôRio, empresa de metrô do Rio de Janeiro, firmou uma parceria com Visa, Cielo, Banco do Brasil e Bradesco para que usuários do metrô pudessem pagar a passagem por aproximação nas catracas. De acordo com a Visa, o número de transações realizadas utilizando esse meio de pagamento vem crescendo quase 60% a cada mês desde a sua implantação.

A iniciativa chega em um momento de discussões sobre o futuro do transporte público em São Paulo. Na semana passada, motoristas e cobradores de ônibus entraram em greve e protestaram contra cortes de linhas e frotas de ônibus. De acordo com a Folha de S.Paulo, a prefeitura havia defendido que “um novo desenho de linhas na cidade é necessário para trazer mais eficiência e menor custo”. O pagamento por aproximação parece ser uma dessas medidas, visto que torna a função do cobrador cada vez mais obsoleta.

Atualizado às 14h45 com informações do SPTrans

Atualizado às 16h32 com informações sobre o Nubank