Enquanto a Huawei enfrenta acusações sobre supostas parcerias para desenvolver ferramentas de vigilância, uma empresa de satélites estadunidense levou as preocupações sobre privacidade a um outro nível.

Baseada em San Francisco, a Capella Space lançou nesta semana o satélite Capella-2, que é equipado com câmeras com resoluções absurdamente altas. Para se ter uma ideia,  o Capella-2 atinge resolução de 50 centímetros por pixel.

Apesar da Capella Space ser pioneira em fornecer um satélite com uma resolução tão precisa, a tecnologia utilizada pela empresa não é exatamente nova. Conhecida como SAR, acrônimo de Synthetic Aperture Radar, a técnica é utilizada pela NASA desde a década de 1970 para detectar a superfície terrestre até mesmo através das nuvens mais densas. O SAR envia um sinal de rádio de 9.65 GHz para a Terra e o interpreta o seu retorno para gerar uma imagem. O que a empresa fez foi aprimorar isso.

O que chama a atenção é o fato de a empresa também estar lançando o Capella Console, um serviço de dados de satélite sob demanda. Sim, é isso mesmo que você está imaginando. Qualquer pessoa pode pedir acesso aos dados capturados pelo Capella-2 ou até mesmo solicitar novas observações para coletar informações específicas. Os pedidos serão analisados com base no International Traffic in Arms Regulation, um regulamento dos EUA para controlar a exportação e importação de determinados serviços e produtos relacionados à defesa e segurança nacional.

A ideia de um satélite ser capaz de capturar imagens de qualquer lugar do planeta, a qualquer momento, e ainda compartilhar essas informações com qualquer um é assustadora e preocupante. Os executivos da Capella Space, no entanto, afirmam que a tecnologia será utilizada para “tornar o mundo melhor”. No vídeo promocional do Capella-2, eles mencionam a possibilidade de utilizar a tecnologia para combater as mudanças climáticas ao monitorar incêndios de florestas e taxas de desmatamento.

De fato, a solução da Capella Space pode ser muito útil nesses casos. No entanto, isso não anula as preocupações relacionadas à privacidade. Conforme apontado pelo Input, a empresa já mantém contratos com agências governamentais dos EUA, como as Forças Armadas e o Escritório Nacional de Reconhecimento. Apossibilidade de esses satélites de alta resolução serem usados como uma ferramenta de vigilância não parece tão remota assim.

Por enquanto, apenas um satélite Capella-2 encontra-se em órbita atualmente. Isso significa que a promessa de capturar imagens de qualquer lugar a qualquer momento ainda é limitada. Porém, a Capella Space pretende lançar mais seis satélites do tipo já no próximo ano.

[Input]