A Nokia deixou de lado as pratas da casa, Symbian e MeeGo, para apostar tudo na Microsoft, no Windows Phone. Ou foi quase tudo? Em entrevista à TV finlandesa, Risto Siilasmaa, fundador e ex-CEO da F-Secure e atual chairman do conselho da Nokia, disse que a empresa tem um “plano de contingência” caso o Windows Phone não atenda as expectativas. Conte-nos qual é, Risto!

Não, ele não contou qual é a do tal plano. Mas disse com todas as letras que existe um e que ele será acionado caso o Windows Phone 8 “falhe em atender as expectativas.” Antes, porém, Risto mostrou-se bem confiante no sucesso dos aparelhos Nokia com software da Microsoft — afinal, parte do trabalho dele é justamente demonstrar confiança nas ações da empresa. E temos que considerar, também, as altas cifras que a parceria envolveu e, provavelmente, ainda envolve. Nesses termos, para a Nokia recorrer ao “plano B” as coisas têm que sair muito, mas muito fora dos trilhos com a chegada do Windows Phone 8.

Mas o que seria o tal plano? Publicações como a CNet UK não demoraram nada para jogar na roda o Android, o que seria o sonho de muita gente que adora o sistema do Google e a durabilidade e qualidade do hardware da Nokia. Entretanto, qualquer comentário nesse momento não passa de mera especulação, visto o silêncio de Risto acerca do assunto. As ações da Nokia estão em queda livre e o valor da empresa já está abaixo da casa dos US$ 10 bilhões — em 2008, chegou próximo de US$ 160 bilhões. Olha a responsabilidade, Windows Phone! [Cnet. Foto: Vernon Chan/Flickr]