Que a Samsung mandou bem no Brasil ao sair na frente do iPad, ninguém duvida. Agora os primeiros números divulgados no âmbito mundial mostram que o primeiro resultado parece ter sido interessante para os coreanos: 600 mil Galaxy Tabs já foram vendidos em um mês. Ok, metade deles na Coréia, mas levando em consideração o bombardeio publicitário que a empresa está fazendo no Brasil, o país deve colaborar com as vendas.

Apesar do bom número para o pouco tempo de vida, os números do Galaxy Tab não são tão assustadores quanto o do iPad, da Apple, que vendeu 3 milhões de unidades nos primeiros 80 dias. Foram 600 mil em um mês e a expectativa da Samsung é chegar a 1 milhão de aparelhos até o fim do ano. Mas o que importa, pelo menos por aqui, é o surgimento de cada vez mais gente curiosa em relação aos tablets. Aquele parente que não entende muito de tecnologia, ou aquele amigo meio desligado, a maioria quer saber: vale a pena ter um telefonão tablet?

Aqui no Brasil, a Samsung quer aproveitar ao máximo o tempo em que o Tab será o único no mercado. Ontem, por exemplo, garotas contratadas pela empresa rodeavam a Avenida Paulista, em São Paulo, indo de bar em bar com dois tablets em mão, mostrando as funções para os bêbados mais abastados. Com folhetins explicativos, elas contavam as funções básicas do aparelho – mostrando o aplicativo da Livraria Cultura, o leitor de e-Books, o Maps – sem entrar em termos técnicos; a tentativa era matar a curiosidade de alguns possíveis futuros compradores.

Além das ruas, os coreanos devem usar televisão, jornais, revistas e todos outros locais onde seja possível encaixar a publicidade de tablets e aguçar a curiosidade alheia. Por aqui nós já falamos bastante do Tab – desde nosso primeiro hands-on, na IFA, até o unboxing da última semana e o desastroso app da Folha – mas como o burburinho deve aumentar ainda mais nos próximos dias, falaremos um bocado dos prós e contras do primeiro tablet à venda oficialmente no Brasil. Fique ligado. [The Korean Herald via Engadget]