Em julho, um avião da United Airlines fez um pouso de emergência devido a uma série de incidentes médicos ocorridos durante o voo. Enquanto as máquinas de oxigênio caíam, os celulares dos tripulantes entravam em ação.

Os psicólogos dizem que o impulso de tirar uma selfie durante uma experiência perigosa não é apenas um sinal de narcisismo — e sim uma exteriorização do instinto de sobrevivência e de autopreservação.

Pouso de emergência em Colorado num voo da @united. Nem os machões se controlaram quando as máscaras caíram do teto.

A “selfie de sobrevivência”

O site Jezebel escreveu sobre esse estranho fenômeno, que consiste no ato de tirar e postar uma selfie durante ou nos momentos seguintes a uma emergência. Foi o que aconteceu em julho, quando o voo 447 da United, que voava de Denver em direção à Los Angeles, fez um pouso de emergência em Colorado por causa de vários incidentes médicos decorrentes da falta de oxigênio à bordo. Enquanto colocavam suas máscaras de oxigênio, alguns passageiros sacaram seus smartphones.

Outras selfies com máscaras de oxigênio foram tiradas em 2014 durante pousos de emergência em voos com destino à Cingapura e à Holanda, ambos os quais passaram por despressurizações repentinas.

Em setembro do ano passado o voo 1416 da JetBlue foi tomado por fumaça após um mau funcionamento no motor. Além de forçar um pouso de emergência, o incidente impeliu o ator Jackson Rathbone a documentar seu trauma em uma série de fotos e selfies.

Ainda no ano passado, o voo 1702 da US Airways foi cancelado após o avião deslizar pela pista e começar a soltar fumaça. Após a evacuação da aeronave, uma tripulante postou duas selfies que se tornaram virais.

Por fim, no exemplo mais extremo e trágico, um homem que sobreviveu à queda de um pequeno avião tirou uma selfie flutuando em um bote salva-vidas no meio do Oceano Pacífico, próximo ao Havaí, chegando a filmar parte do incidente em sua GoPro. Infelizmente, uma pessoa morreu no acidente.

É muito fácil ridicularizar esses atos, dizendo coisas como “tirar uma selfie é a última coisa que eu faria”, ou “uau, a que ponto chegamos”. Mas embora o perigo não seja uma novidade, os smartphones e as selfies são, e essa interação inspirou um novo tipo de comportamento entre vítimas de emergências. Nós perguntamos para alguns psicólogos a razão por trás disso.

Parte disso é narcisismo, claro

“Em geral, o impulso de tirar uma foto de si mesmo durante uma emergência não traz muitos benefícios. Em alguns casos, documentar os detalhes de uma emergência — barulhos estranhos, o rosto de um agressor —  pode ser uma iniciativa útil, mas apontar a máquina para você mesmo sugere que você é o único (e mais importante) foco daquela situação”, diz Jesse Fox, uma professora da Faculdade de Comunicação da Universidade do Estado de Ohio.

Em janeiro, Fox conduziu um estudo sobre a psicologia das selfies publicada posteriormente na revista científica Personality and Individual Differences. O estudo revelou que homens que tiram mais selfies são mais propensos a apresentar distúrbios como o narcisismo e a psicopatia. Mas e no caso das selfies em acidentes? Fox afirma que, embora possa existir alguma motivação jornalística ou documentária por trás delas, a prática pode demonstrar algum nível inato de narcisismo.

“O ato de criar um documento sobre si mesmo — e não sobre a situação — indica que existe um certo nível de narcisismo envolvido”, explica.  “Essas pessoas podem ter pensado que suas fotos seriam amplamente compartilhadas, o que pode ser um motivo para se inserir no meio da ação. Por outro lado, elas podem estar tentando provar que elas realmente estavam lá.”

Caso a foto seja tirada depois da emergência, e não durante, os motivos podem ser um pouco diferentes. “Talvez você queria mostrar para seus parentes e amigos que você está bem — ou não”, ela diz. “Ou você pode querer já responder algumas questões relacionadas ao trauma que você acabou de sofrer.”

1433248164434802981
Crédito: WhoSay

A necessidade de registrar seu próprio rosto frente a um perigo mortal (ou o que você como um perigo mortal) se relaciona com uma teoria psicológica que sugere que essas selfies nascem de uma necessidade de autopreservação.

Selfies podem ser uma forma de preservação

Em um nível subconsciente, o instinto de tirar uma selfie em um momento extremo vai além de um pedido desesperado por likes, compartilhamentos ou retweets. “Eu não acho que isso seja apenas narcisismo”, diz Susan Krauss Whitbourne, professora de psicologia e neurociência da Universidade de Massachussetts. “Creio que esse impulso esteja relacionado à ideia de que, quando nossa proeminência de mortalidade aumenta, nossa tendência é tentar proteger nossa identidade.”

E o que é essa tal de “proeminência de mortalidade”? Whitbourne explica que esse é um dos conceitos da chamada Teoria da Gestão do Terror. Essa teoria reconhece o medo da morte como o grande motor por trás do comportamento humano.

“A TGT basicamente propõe que quando encaramos nossa própria mortalidade — a tal proeminência da mortalidade — nós agimos de forma a preservar nossa individualidade ou identidade”, afirma Whitbourne.

É por isso que tirar selfies pode ser considerado como uma forma de preservação para humanos que passaram por situações extremas. Em alguns casos, essas selfies podem servir como uma lembrança para os entes queridos do fotografado. Segundo a Teoria da Gestão do Terror, os seres humanos têm um impulso básico de proteger suas identidades em casos de vida-ou-morte. O mais interessante é que, antes das selfies, os humanos não tinham ferramentas para satisfazer esses impulsos.

“Ninguém tira uma selfie no meio de um assalto ou de um ataque de algum animal selvagem”, disse Fox. (Aparentemente tirar uma selfie momentos antes de ser atacado por um animal selvagem é uma prática mais comum do que se imagina.)

Os smartphones mudaram a forma como nós reagimos ao perigo

No fim, as razões pelas quais alguém decide documentar seus próprios atos — em especial se ele tiver acabado de sobreviver a um encontro com a morte — podem ser diversas, complicadas e cheias de nuances. Por exemplo, alguém pode não acreditar estar em perigo, e, apesar dos procedimentos de emergência, decidir tirar uma selfie divertida. Outra pessoa pode estar em busca de algum ato familiar e banal que sirva de distração durante uma situação obviamente incomum e incontrolável.

A própria mídia nos insere em um ciclo de audiência que incentiva a prática indiscriminada das selfies. E se essa selfie for tirada em uma situação assustadora que gera preocupação ou interesse em larga escala, a necessidade de tirar uma selfie cresce exponencialmente.

“Enquanto a sociedade continuar a curtir, compartilhar ou fazer comentários positivos sobre essas fotos, as selfies irão existir”, diz Fox. “Se todo mundo cortasse as recompensas sociais atribuídas a quem posta selfies e simplesmente as ignorasse, elas sumiriam rapidamente.”

No entanto, ver a morte de perto adiciona um novo elemento a essa dinâmica. Se você for o traumatizado em questão, a “selfie de sobrevivência” pode ser apenas isso: uma prova de sobrevivência. Uma prova de que você passou por uma situação tenebrosa e mesmo assim sobreviveu. No momento do incidente ou naqueles que o seguem, elas podem até ser um símbolo de uma emoção muito sincera — mas alguns dias depois, “as fotos se transformam em uma impressionante adição aos nossos feeds de notícias”, diz Whitbourne.

“Como reza o ditado”, diz Fox, “fotos ou isso não aconteceu.”

Ilustração de Sam Woolley.