O Telescópio Espacial James Webb (STJW) continua surpreendendo cientistas. Agora, o equipamento capturou sua primeira supernova – fenômeno que representa a explosão de uma estrela. O evento foi detectado em uma galáxia chamada SDSS.J141930.11+5251593, localizada a cerca de 3 a 4 bilhões de anos-luz da Terra. 

O James Webb não foi construído para detectar supernovas e a imagem recente foi obtida praticamente sem querer. Os cientistas notaram que se tratava dos estágios finais de uma estrela porque, cinco dias após o clique, o brilho do objeto começou a diminuir. 

De toda forma, a detecção feita com a câmera NIRCam mostra mais uma vez a capacidade do telescópio de mudar a ciência. Apesar de não ser seu objetivo inicial, o feito indica que o equipamento pode ser capaz de capturar supernovas regularmente, incluindo aquelas estrelas que explodiram nos primórdios do Universo. 

Os cientistas acreditam que as estrelas que existiam nas primeiras centenas de milhões de anos após o Big Bang tinham composição bastante diferentes dos astros modernos. De acordo com os pesquisadores, as estrelas ancestrais eram constituídas, principalmente, de hidrogênio e hélio. Elas também eram gigantes, possuindo entre 200 e 300 vezes a massa do Sol.

Capturar as supernovas ajudará a desvendar o mistério destas primeiras estrelas, embora essa não seja uma tarefa fácil. A explosão dura uma fração de segundos e seus efeitos no espaço desaparecem após poucos dias. Para conseguir tal feito, o telescópio precisa estar olhando para o lugar certo na hora certa.

Como foi pontuado pelo space.com, precisamos esperar para ver se esse foi apenas um golpe de sorte do James Webb ou se o maquinário será capaz de capturar estes fenômenos com frequência.