A Nvidia deu uma amostra de como serão as placas de vídeo para notebook baseadas na arquitetura Fermi quando mostrou a GeForce GTX 480M, mas agora é hora de conhecer a família toda. São sete GPUs com Fermi, e são tão rápidas que algumas derretem rostos, enquanto outras fazem rostos pegarem fogo.

O que torna essas placas de vídeo tão especiais? Tem tudo a ver com a Fermi, que foi criada para dar suporte àqueles gráficos do DirectX 11 que você quer tanto. Mas, talvez mais importante, ela vem num momento em que a tecnologia Optimus da Nvidia, para troca entre placas de vídeo, foi adotada por muitos. Com esta tecnologia, é possível que um notebook tenha uma placa de vídeo potente e um chip gráfico menos potente, e que se troque entre um e outro automaticamente. Isto significa que boas placas de vídeo não vão acabar com a sua bateria. Pelo menos, não tão rápido.

A Nvidia está prometendo desempenho 40 vezes melhor que a geração anterior da GeForce – apesar de isso ser baseado numa amálgama misteriosa de um número que engloba diferentes benchmarks e testes internos – e a nova linha terá suporte a CUDA, 3D Vision e PhysX. O concorrente da nova linha não  é a linha antiga, no entanto. É a solução integrada da Intel, que de acordo com a Nvidia lida com jogos e retoques fotográficos 5 vezes mais devagar que as novas belezinhas da Nvidia.

No low-end da linha está a GeForce GT 415M, com 48 núcleos de processador e até 512MB. Ela deve custar US$50 a mais em computadores montados, em relação a PCs com placa de vídeo integrada. A placa mais potente é a GeForce GTX 470M, que vem com 288 núcleos, até 1GB de memória e 1,25GHz de clock de memória. Por enquanto não temos benchmarks, mas esperamos uma agitação maior quando os parceiros da Nvidia – basicamente todo mundo exceto a HP – começar a anunciar a linha de novos produtos no próximo trimestre. [Nvidia]