Em breve, se o seu celular for furtado, você poderá pegar o telefone de alguém emprestado e registrar um BO (Boletim de Ocorrência) de um aplicativo. Pelo menos é isso o que promete o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Em parceria com o Ministério da Justiça, o Serpro está desenvolvendo o app “Delegacia Virtual”. A ferramenta funciona da seguinte forma: o cidadão insere o seu CPF, tira uma selfie – que é validada por meio do reconhecimento facial do Datavalid, e pode gravar um áudio relatando a situação. O áudio é automaticamente transcrito para texto e uma inteligência artificial, junto com a localização por satélite do cidadão, classifica o ocorrido.

O projeto ainda está em fase de desenvolvimento, mas um protótipo inicial já foi apresentado durante a Futurecom. No evento, o Serpro ainda mostrou um mapa, que também faz parte da iniciativa, que mostra as ocorrências registradas em tempo real. Essas informações podem ser acessadas por qualquer um, tanto cidadãos como órgãos públicos, para acompanhar os diferentes tipos de incidentes.

Captura de tela: Serpro

Além do aplicativo para celular, a ideia é que a tecnologia seja implantada em totens distribuídos nas próprias delegacias. Segundo comunicado do Serpro, dependendo da ocorrência, a pessoa ainda terá que comparece pessoalmente a uma delegacia para complementar informações.

Para o processo de lançamento da ferramenta, o Serpro informa que vai oferecer um treinamento da solução para agentes policiais. Além disso, as delegacias que desejarem utilizar a tecnologia deverão ter estações de trabalho ou dispositivos móveis conectados à internet.

Ainda não há uma data definida para o lançamento da “Delegacia Virtual”, mas João Paulo Souza, gerente de Soluções de Inteligência e Procedimentos Policiais do Serpro, afirmou em comunicado que a estratégia será de implantação modular, antecipando alguns recursos aos cidadãos. “Os tipos de ocorrências disponibilizadas ao cidadão para registro por meio da Delegacia Virtual serão definidos por cada UF, dentro da competência e autonomia da Polícia Civil de cada estado”.