Você com certeza já deve ter lido ou ouvido que os dispositivos da Apple são praticamente imunes a vírus e malwares quando comparados ao Windows ou ao Android, certo? Pois bem. A verdade é que as coisas não são bem assim e, além dos sistemas da Apple serem, sim, alvo de ataques, hackers estão sofisticando suas ações de invasão contra os aparelhos da empresa.

Essa é a constatação de um relatório das empresas Malwarebytes e Red Canary. Segundo o Ars Technica, pesquisadores das duas companhias descobriram um malware escondido em cerca de 30 mil Macs em 153 países que, após entrar nas máquinas, pode ativar um mecanismo de autodestruição para remover qualquer vestígio anterior que comprove sua existência.

A ameaça foi batizada de Silver Sparrow, e atinge tanto os Macs com chips da Intel quanto os mais recentes, baseados no novo processador M1. Felizmente, os pesquisadores de segurança conseguiram detectar o malware antes de ele cobrir seus rastros, e não há indícios de que ele tenha causado danos maiores aos donos de Macs. Além disso, a Red Canary afirma que a Apple já revogou os certificados de execução dos binários do software malicioso.

Assine a newsletter do Gizmodo

O que chama atenção é o fato de já existirem malwares voltados especificamente para a nova arquitetura própria da Apple, que fez sua estreia há pouquíssimo tempo — menos de seis meses atrás. E note que eu disse “malwares”, no plural, uma vez que, há uma semana, um outro malware para Macs com chip M1 foi descoberto pelo pesquisador de segurança Patrick Wardle.

De acordo com os pesquisadores, a transição de chips da Intel para M1 pode ter facilitado a criação de mais ameaças justamente por se tratar de uma plataforma nova e pouco explorada. Então, é bem provável que vejamos um número significativo de malwares surgindo nos próximos meses.

[Red Canary, Ars Technica, The Verge]