A Sky está entrando no competitivo mundo de lojas de conteúdo por streaming com o Sky Online, onde os clientes (apenas assinantes da operadora num primeiro momento) poderão alugar filmes e séries no computador. O grande diferencial do serviço, que funciona no browser em um primeiro momento, é o catálogo de lançamentos: em vez de quantidade, a Sky escolheu filmes que acabaram de sair do cinema e séries bem novas, com opções dubladas e legendadas. O serviço em si é bem apresentado mas tem alguns problemas, como o preço e o fato de por enquanto não haver qualquer coisa em HD. Mas tem algumas ideias interessantes. A primeira diferença é que, além de ver o filme por streaming (mínimo de 1 Mbps de banda), o usuário poderá baixar o arquivo (com DRM, para ver dentro do player), para evitar soluços na exibição. Em termos de preço, há algumas opções. Você pode assinar o “Sky Online clube” por R$ 14,90 e tem acesso a um número não revelado de bons (e velhos) filmes. Na nossa busca aqui não vimos qualquer coisa mais recente que 2009. Também é possível comprar filmes, a partir de R$ 4,90 cada — mas lançamentos como Os Smurfs custam R$ 34,90. Trinta e quatro Reais e noventa centavos por um filme em SD que só pode ser visto em um browser. Mas prossigamos. A tecnologia empregada será o Silverlight e a Sky disse ter aprendido com os problemas encontrados pelo Netflix (que davam pau ao colocar legendas ou mudar o áudio) para melhorar o seu player.O Sky Online também oferecerá, além do serviço de filmes e séries a là carte, algumas opções ao vivo, como shows de música. O canal ESPN360 também transmitirá partidas ao vivo de diversos esportes, mas pelo que vi aqui com resolução inferior ao SD, até pior do que o Globoesporte mostra ao vivo. Mas a menina dos olhos mesmo é a programação de filmes, que terá por exemplo agora Capitão América, o novo Planeta dos Macacos, Se Beber, não Case! Parte II. “O nosso serviço vai ser mais seletivo, serão campeões de venda. Quando fizemos o Sky Online, não foi uma negociação com estúdio para pegar 300 filmes onde só 10 prestam. Quisemos que o acervo fosse absolutamente relevante”, disse presidente da Sky Luiz Eduardo Baptista da Rocha na coletiva de hoje. A ideia é que o serviço seja disponível para não-assinantes da Sky no segundo trimestre, a um preço maior que os R$ 14,90 no “clube”. O Sky Online também aparecerá em outros aparelhos ao longo do ano: a prioridade é desenvolver um app para iPad; videogames e Smart TVs virão depois, mas não tão cedo. O presidente da Sky acha que isso não é tão relevante: “Qualquer adolescente resolve esse problema ligando o computador na HDMI da TV”. Aqui está o nosso breve hands-on com o serviço:

PS: O presidente da SKY não fugiu da polêmica da “Fox Sports e Libertadores” e deu uma resposta bastante dura sobre a postura de “boa moça” do canal esportivo. O caso foi comentado pelo chapa Caio Maia aqui.