Sem nenhum sinal de vida, o terreno rochoso de Marte será preenchido com os sons da solidão quando a rover Perseverance, da Nasa, chegar à cratera de Jezero mês que vem. Uma das tarefas da veículo será ouvir o ambiente marciano com seus microfones. Esse será o primeiro esforço de coletar dados acústicos no Planeta Vermelho.

A Perseverance deverá chegar à Jezero no dia 18 de fevereiro, equipada com dois microfones. Um será preso à estrutura do rover, logo acima de suas seis rodas, e o outro na superfície da SuperCam do rover, em elemento óptico que justifica seus quase 2 metros de altura. Essa SuperCam se parece um pouco com o olho do Wall-E.

Os microfones não são muito especiais, mas “eles foram testados para sobreviver ao lançamento, a descida, a entrada e o pouso”, disse Baptisde Chide, cientista planetário do laboratório de propulsão da Nasa, em uma entrevista em vídeo ao Gizmodo.

Chide ainda disse que o microfone do corpo, instalado no meio de uma rede que o protege da poeira marciana, gravará os sons mais graves, enquanto o da SuperCam irá gravar os ruídos mais cotidianos de Marte, como a Perseverance cortando e vaporizando pedras.

Como Marte tem pressão atmosférica, temperatura e composição do ar muito diferentes das da Terra, o ambiente acústico também acaba sendo bem distinto. Isso também vale para qualquer um de nossos vizinhos planetários, cada um com sua própria série de fatores inóspitos.

A atmosfera fria e pesada de dióxido de carbono, que tem cerca de 1% da densidade da Terra, cria um ambiente sonoro como se você estivesse ouvindo tudo através de uma parede. Ou, como Katherine Wu descreveu em um post de blog para a Universidade de Harvard:

“A atmosfera de Marte não é especialmente amigável… Essa combinação é o oposto do ar quente e espesso de Vênus. Lá nossas vozes teriam um tom mais baixo devido às temperaturas geladas e seriam mais roucas devido à velocidade mais lenta do som — isso ainda se pudéssemos nos ouvir o tempo todo. Em Marte, o som viajaria a uma velocidade menor por um gás com maior absorção.”

Se seu vizinho estiver curtindo música eletrônica, por exemplo, você ouve muito mais o grave do que outras frequências que têm maior dificuldade de passar pela parede. O mesmo aconteceria em Marte. Fogos de artifícios no Planeta Vermelho, diz Chide, teriam um tom muito mais baixo e demorariam mais para chegar até você.

Mas é claro que toda essa conversa sobre acústica só tem validade se a Perseverance chegar bem à Marte. Será uma jornada longa e solitária pelo espaço silencioso que culminará até conseguir pousar. Uma vez que ela toque o chão de forma segura, ainda precisará navegar pelo terreno imprevisível de Marte. Assim como a malfadada InSight demonstrou recentemente, você nunca sabe o que pode dar errado.

Se tudo correr bem, o áudio enviado pela Perseverance nos mostrará o ambiente sonoro de Marte pela primeira vez. Esperamos que conseguir ouvir um dos grandes momentos da missão: o primeiro voo de um helicóptero em outro planeta.