Depois de praticamente quatro anos viajando pelo espaço, a sonda Hayabusa2 se encontrou com o asteróide Ryugu. A informação foi confirmada pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA, na sigla em inglês), na semana passada. Agora, inicia-se um novo estágio nessa missão que pretende recolher amostras do objeto celestial e trazê-lo de volta para a Terra.

• A NASA vai atrasar o lançamento do telescópio espacial James Webb para março de 2021
• O arquivo de imagens da sonda Rosetta está completo e é totalmente gratuito

Durante o encontro entre a sonda e o objeto, os controladores da missão acionaram os propulsores químicos da Hayabusa2, fazendo com que ela entrasse na órbita de Ryugu, que é bem pequeninho, com apenas um quilômetro de diâmetro. A JAXA afirma que os propulsores funcionaram perfeitamente e que a sonda está mantendo uma distância constante do asteróide.

“A partir desse momento, estamos planejando conduzir atividades exploratórias nas proximidades do asteróide, incluindo a observação científica de Ryugu e o monitoramento para a coleta de uma amostra”, explicou a agência espacial japonesa em um comunicado à imprensa.

A sonda Hayabusa2 pesa 590 kg e foi lançada no dia 3 de dezembro de 2014. Neste momento ela está a cerca de 290 milhões de quilômetros de distância da Terra. A sonda examinará o asteróide Ryugu pelos próximos 18 meses, e enquanto isso coletará amostras de poeira e rochas da superfície dele.

Ela também enviará quatro pequenas sondas para a superfície do asteróide. A Hayabusa2 voltará para casa em dezembro de 2019, chegando à Terra com suas preciosas amostras um ano depois.

O asteróide Ryugu tem chamado bastante atenção pelo seu formato, revelando uma forma semelhante a de um diamante ou de um pião (ou, para quem é fã de Dungeons & Dragons, ele se parece com um dado de oito lados). Ele é abaulado em seu equador e possui crateras bem visíveis, bem como grandes pedaços de rochas.

O asteróide gira bem devagar, uma vez a cada sete horas e meia, o que é uma boa notícia para a missão. Para os controladoras da JAXA, o desafio agora é descobrir o melhor local para a Hayabusa2 disparar seu dispositivo de amostragem – um “impactor” de cobre.

Conceito arstístico da sonda Hayabusa2 recolhendo uma amostra de asteróide. Ilustração: JAXA

“Temos um dispositivo de impacto que criará uma pequena cratera na superfície do Ryugu”, disse Makoto Yoshikawa, gerente da missão da Hayabusa2, à BBC. “Talvez na primavera do ano que vem (entre março e junho), vamos tentar fazer uma cratera […] então nossa espaçonave vai tentar entrar nessa cratera para pegar o material do subsolo”.

Ao estudar os fragmentos que compõem Ryugu, os cientistas esperam fazer descobertas importantes sobre a composição do antigo Sistema Solar e as condições que deram origem à vida na Terra. Os asteróides são objetos antigos e muitas vezes possuem traços de água ou de materiais orgânicos (ou ricos em carbono).

[JAXA, BBC]

Uma incrível foto do asteróide Ryugu, tirada em 26 de junho pela sonda Hayabusa2. Imagem: JAXA, Universidade de Tóquio e colaboradores