A Sony agora é a detentora de dois dos maiores streaming de anime do mundo: a Funimation e a Crunchyroll, esta última adquirida na quarta-feira (9) por US$ 1,2 bilhão. Até então, a plataforma pertencia à AT&T.

Com mais de três milhões de assinantes e 90 milhões de usuários espalhados em 200 países, a Crunchyroll é mais um dos serviços que a AT&T se desfaz, na tentativa de conter os prejuízos acumulados na TV paga nos EUA. A companhia, que faz parte da divisão de entretenimento da WarnerMedia, também estaria procurando um comprador para o DirecTV, adquirido pela AT&T por US$ 49 bilhões há cinco anos. Hoje, a divisão vale o equivalente a US$ 16 bilhões.

A princípio, nada irá mudar por enquanto, o que significa que Funimation e Crunchyroll vão coexistir como dois serviços separados. “Sabemos que vocês podem ter dúvidas sobre o que vai acontecer daqui para frente, mas pedimos desculpas que não podemos responder a tudo ainda. Até o fechamento do negócio, a Crunchyroll e a Funimation continuarão operando de forma independente. Apesar das grandes novidades, ainda somos a mesma Crunchyroll que éramos ontem e continuaremos a trazer mais anime para vocês”, escreveu a empresa em nota oficial.

Mesmo a Sony tendo pago em espécie pela plataforma, a aquisição só deve ser concluída mesmo daqui alguns meses. Porém, a marca japonesa já estaria apta a implementar alterações no serviço de streaming. A aquisição também não representa uma ameaça para competidores maiores, como Netflix e Disney+, uma vez que os conteúdos da Funimation e Crunchyroll são bem mais segmentados.

A Crunchyroll está disponível no Brasil há alguns anos e custa a partir de R$ 25 por mês, com opção de plano sem anúncios (R$ 32) e no pacote anual (R$ 315). A Funimation, por sua vez, chegou recentemente ao país por R$ 24,90 mensais, ou R$ 249,90 por ano.

[Ars Technica]