A Agência Espacial Internacional e a nave espacial Discovery quase tiveram que se desviar de pedaços mortais de lixo espacial, anteontem. De novo. A NASA não vai instalar lasers como eu gostaria, mas a Força Aérea Americana (USAF) está tocando um projeto próprio de defesa contra lixo espacial.

A USAF está trabalhando com várias empresas para desenvolver um sistema que permitirá monitorar os mais de 600.000 pedaços de lixo espacial que orbitam ao redor da Terra. Pode parecer um número pequeno — o universo é tão grande! —, mas as coisas estão ficando perigosas lá em cima. Especialmente depois de fevereiro último, quando dois satélites de comunicação (o Cosmo russo e o Iridium americano) colidiram a 27.000km/h, 800km acima da Sibéria.

O sistema é chamado Conhecimento da Situação Espacial (Space Situation Awareness), ou Cerca Espacial (Space Fence), e vai consistir de três radares de banda S interligados em rede, do tamanho de campos de futebol — ou 100m por 50m — distribuídos ao redor do mundo. Os radares vão monitorar cada pedaço perigoso de lixo orbitando o planeta, mantendo tudo numa base de dados atualizada. Se houver qualquer risco de colisão, o alerta é acionado e os astronautas viverão por mais um dia, em seus brancos e brilhantes trajes espaciais.

Infelizmente, o sistema de 2 bilhões de dólares só começará a funcionar em 2015.