Após uma série de pousos bem-sucedidos no oceano, um foguete Falcon 9 da SpaceX sofreu uma queda feia ao descer até uma barca.

>>> SpaceX está ficando sem espaço para guardar os seus foguetes Falcon 9
>>> Elon Musk quer democracia em Marte, e acha que nossa realidade é uma simulação

Enquanto o Falcon 9 tocava a barca Of Course I Still Love You, a transmissão ao vivo da SpaceX foi cortada, deixando todos – inclusive a empresa – sem saber se o foguete pousou em segurança.

Por um momento, ele esteve visível na base em posição vertical, entre as nuvens de fumaça. Mas algo aconteceu e a SpaceX perdeu o foguete. Ele poderia ter apenas se inclinado e caído, como vimos no início deste ano; ou ter chegado rápido demais na barca.

De fato, parece este pouso foi problemático porque um dos três motores do foguete não deu impulso o suficiente para desacelerá-lo. Elon Musk descreveu o problema no Twitter como um “desmantelamento rápido não-programado :)”. A barca, felizmente, saiu ilesa do impacto.

Os engenheiros já começaram a trabalhar em uma solução que permitiria aos outros motores compensar tais problemas. Musk estima que a correção deve estar pronta até o final do ano.

Embora o pouso não tenha sido um sucesso, os dois satélites que o foguete levou a uma órbita geoestacionária – um da chinesa ABS, outro da francesa Eutelsat – foram enviados com sucesso. Eis algumas imagens do satélite ABS à medida que ele foi rumo ao espaço:

A SpaceX teve uma série de pousos bem-sucedidos em uma barca – incluindo alguns mais difíceis, após deixar satélites em órbita geoestacionária. Esta falha pode parecer um retrocesso, mas não é bem o caso. Cada pouso da SpaceX foi um pouco diferente, e a empresa vem experimentando diferentes órbitas e métodos.

Colisões não são nada de novo para a empresa – na verdade, são quase uma parte esperada do processo, à medida que os engenheiros descobrem como ajustar a órbita para a maior taxa de sucesso possível.

Musk diz que o vídeo mostrando o acidente do ponto de vista da barca será divulgado ainda hoje – ele o descreveu como “talvez o impacto mais forte até hoje”.