Começaram os efeitos da maior polêmica da cultura digital do começo deste ano: o embate “Neil Young x Joe Rogan”.

O popular podcaster norte-americano Joe Rogan pediu desculpas em meio a uma reação contra a desinformação sobre a Covid-19 em seu programa no Spotify.

Enquanto isso, o Spotify informou que vai adicionar um “aviso de conteúdo” a qualquer episódio com discussão a respeito da Covid.

Através de uma postagem no blog do Spotify, o CEO Daniel Ek confirmou que não foi suficientemente transparente sobre a sua política de conteúdo, só que também não detalhou nada sobre Rogan, se haveria alguma punição.

O posicionamento da plataforma também não faz menção direta à polêmica envolvendo Joe Rogan com o veterano roqueiro canadense Neil Young, que retirou suas músicas da plataforma em protesto.

Vale lembrar que outras plataformas, como o YouTube, o Instagram e o Twitter já contam com mecanismo semelhante há bastante tempo.

“Em nosso âmago, acreditamos que ouvir é tudo. Pegue quase qualquer tema e você vai encontrar pessoas com opiniões em cada um de seus lados. Pessoalmente, há diversos indivíduos e visões no Spotify com as quais eu discordo com força”, escreveu Daniel Ek.

“Nós sabemos que temos um papel crítico em apoiar a liberdade de expressão de um criador enquanto balanceamos com a segurança de nossos usuários. Neste papel, é importante que não tomemos a posição de sermos censores de conteúdo, enquanto também garantimos que haja regras em vigor e consequências para quem for violá-las.” (Daniel Ek) 

O CEO da plataforma citou cientistas, médicos, acadêmicos e autoridades públicas de saúde ao redor do mundo como fontes confiáveis. “Nós estamos trabalhando para acrescentar um aviso de conteúdo para qualquer episódio de podcast que inclua uma discussão sobre Covid-19. Esse aviso direciona os ouvintes ao nosso hub dedicado à Covid-19, uma fonte que providencia acesso fácil a fatos embasados em dados, informações atualizadas”, afirmou. 

Nos próximos dias, o Spotify pretende adicionar um aviso de conteúdo a qualquer episódio de podcast que inclua qualquer discussão sobre a Covid-19.

A assessoria irá direcionar os ouvintes para a empresa Centro Covid-19, além de links para podcasts da BBC, ABC News e Foreign Policy. 

O Spotify se comprometeu a compartilhar publicamente suas diretrizes de conteúdo e você pode ler por meio do portal oficial da empresa na Internet.

Além disso, a marca também planeja começar a testar maneiras de destacar suas diretrizes de conteúdo nas ferramentas que oferece a produtores de podcast e outros criadores.

“Esse novo esforço para combater a desinformação vai se espalhar para outros países ao redor do mundo nos próximos dias. Em nosso conhecimento, esse aviso de conteúdo é o primeiro do tipo em uma grande plataforma de podcasts”, declarou.

O comunicado ainda cita algumas doações e iniciativas da empresa em relação à Covid-19 para dar uma “noção do quão sério nós abordamos a pandemia como empresa”.

Tudo isso acontece depois dos artistas Neil Young e Joni Mitchell retirarem suas músicas da plataforma de streaming em protesto ao podcast de Rogan. A repercussão foi tanta, que nesta segunda (31), a autora Brené Brown disse que não lançaria novos episódios de seu podcast, que também é exclusivo do Spotify, até ver alguma providência.

Além disso, o Spotify perdeu cerca de US$ 2,1 bilhões (R$ 11,3 bilhões) em valor de mercado em três dias. De acordo com a Variety, as ações do Spotify caíram 6% de 26 a 28 de janeiro. No mesmo período, o índice composto Nasdaq, de alta tecnologia, subiu 1,7% e o Dow Jones Industrial Average subiu 1,1%.

O valor de mercado do streaming já estava em queda desde as primeiras semanas deste ano, quando as suas ações se desvalorizaram 25%.

Joe Rogan pede desculpas

Em janeiro de 2022, um grupo de centenas de cientistas e médicos publicou uma carta aberta ao Spotify criticando a presença de podcasts contendo desinformação sobre a Covid-19 na plataforma. O principal alvo foi Joe Rogan, do “The Joe Rogan Experience”, que já questionou a gravidade da doença e recebeu convidados duvidando da efetividade de vacinas.

Logo após o Spotify anunciar que adicionaria um “conselho de conteúdo” aos podcast sobre Covid, Rogan gravou um vídeo no Instagram onde pediu desculpas ao Spotify pela reação de Neil Young, Joni Mitchell e outros artistas. Ele também defendeu sua decisão de receber convidados controversos, enquanto prometeu “equilibrar as coisas” com opiniões divergentes. 

“Se eu te irritei, me desculpe”, disse Rogan. “Farei o meu melhor para tentar equilibrar esses pontos de vista mais controversos com as perspectivas de outras pessoas para que possamos encontrar um ponto de vista melhor.”

“Algumas das minhas ideias não são preparadas e desenvolvidas porque as tenho literalmente em tempo real, mas faço o meu melhor e são apenas conversas, e acho que esse também é o apelo do programa”, disse ele.

“É uma das coisas que o torna interessante. Então, quero agradecer ao Spotify por ser tão solidário nesse período, e lamento muito que isso esteja acontecendo com eles e que estejam tirando tanto disso”.

Confira o vídeo neste link.

Rogan também atraiu críticas por espalhar desinformação sobre a doença ao dizer que os hospitais estão financeiramente motivados a registrar o Covid como a causa da morte, e assim promover o tratamento antiparasitário ivermectina como meio de tratar os sintomas do vírus. 

“Não sou médico. Não sou cientista. Sou apenas uma pessoa que se senta e conversa com as pessoas”, disse. “Eu entendo as coisas erradas? Absolutamente. Eu entendo as coisas erradas, mas tento corrigi-las sempre que entendo algo errado. Estou interessado em descobrir qual é a verdade, e estou interessado em ter conversas interessantes com pessoas que tenho opiniões diferentes. Não estou interessado em falar apenas com pessoas que têm uma perspectiva.”