A audiência de hoje do Comitê Judiciário do Congresso dos EUA foi uma palhaçada e se concentrou principalmente na ira da maioria republicana em direção ao suposto viés conservador nas plataformas da Alphabet — em grande parte, uma repetição da intimidação destinada ao Twitter e Facebook no início do ano.

Dado que o Google é uma empresa gigantesca que estabelece precedentes nos domínios da privacidade e transparência de dados, esses pequenos questionamentos sobre o suposto favoritismo partidário representam um abandono do que o serviço público deve incorporar, ou seja, proteção ao consumidor e legislação anti-monopólio. Felizmente, alguns membros do comitê se incomodaram em perguntar ao CEO do Google, Sundar Pichai, sobre um dos projetos mais controversos da empresa: o produto censurado de busca para o mercado chinês, conhecido pelo codinome Dragonfly.

• Funcionários do Google exigem publicamente cancelamento de projeto de sistema de busca censurado na China

Respondendo sob juramento a perguntas da representante democrata do Texas Sheila Jackson Lee sobre os planos do Google em torno da Dragonfly — um meio potencial para entrar no mercado chinês, deixado pela empresa em 2010 –, ele afirmou:

No momento, não temos planos de lançar na China, não temos um produto de pesquisa lá. Nossa missão principal é fornecer aos usuários acesso à informação, e obter acesso à informação é um importante direito humano. Por isso, somos sempre obrigados, em todo o mundo, a nos esforçar para fornecer essa informação. Mas agora não há planos para lançar uma pesquisa na China. Estou comprometido em ser totalmente transparente, inclusive com os formuladores de políticas, na medida em que desenvolvermos planos para fazer isso.

Insatisfatório, como todas as respostas. A agenda de fornecer mais informações para mais pessoas, sem pensar na qualidade em detrimento da quantidade, é precisamente o que torna o Dragonfly tão preocupante em primeiro lugar.

No final da tarde, os políticos David Cicilline e Keith Rothfus apertaram Pichai, mais especificamente sobre o Dragonfly. “O número de engenheiros no projeto variou ao longo do tempo”, disse Pichai a Rothfus, “já tivemos mais de 100 pessoas trabalhando nisso, pelo que sei.” Ele não confirmou especificamente que existia uma demonstração de funcionamento de Dragonfly, dizendo apenas que “desenvolvemos e exploramos como seria a pesquisa se fosse lançada em um país como a China”.

Pichai também acabaria por não indicar se havia reuniões de produtos em andamento em torno do Dragonfly, mas ele negou que o Google esteja atualmente em negociações com o governo chinês para fazer um produto de busca. Sem especificar o tempo de desenvolvimento do projeto, Pichai tentou minimizar a possibilidade de um eventual lançamento de Dragonfly, dizendo: “já tivemos o produto em andamento por um tempo, e houve outros projetos que realizamos por um tempo e nunca foram lançados”.

O Project Dragonfly atraiu críticas internamente, na forma de duas cartas abertas dos Googlers, cada uma com centenas de assinaturas. Sessenta grupos de direitos humanos em todo o mundo, incluindo a Anistia Internacional, a Electronic Frontier Foundation e Repórteres Sem Fronteiras, também pediram ao Google para acabar com o desenvolvimento do Dragonfly, observando que “há um risco real de o Google ajudar diretamente o governo chinês a deter ou prender pessoas simplesmente por expressar seus pontos de vista online.”

Os Googlers também destacaram que, se um produto de busca feito sob medida para as especulações de censura do governo fosse implantado, poderia “estabelecer um precedente perigoso em um momento político volátil, que tornaria mais difícil para o Google negar a outros países concessões semelhantes”.

Um cientista sênior do Google pediu demissão em protesto contra as óbvias falhas éticas do Dragonfly e, de acordo com uma reportagem do Intercept, as próprias equipes de segurança da empresa foram impedidas de participar de reuniões sobre o produto.

Crucialmente, quando Pichai foi convidado hoje a se comprometer a não lançar um produto de busca censurado na China, ele prometeu “pensar bem” e “se engajar amplamente”, o que se supõe ser tranquilizador:

Temos a missão declarada de fornecer informações aos usuários e, por isso, sempre achamos que é nosso dever explorar as possibilidades de fornecer aos usuários acesso às informações. Eu tenho esse compromisso. Mas como eu disse anteriormente, nós seremos muito atenciosos e nos envolveremos amplamente à medida que progredirmos.

O Congresso está pronto para se tornar majoritariamente democrata em janeiro, quando, idealmente, novas audiências produzirão respostas mais substanciais sobre esse aspecto especialmente preocupante da reentrada do Google no mercado chinês.