Uma equipe de astrônomos parece ter desvendado a composição elementar de uma estrela na Via Láctea. Segundo os cientistas, isso pode ser devido a um tipo massivo de colapso estelar no início do universo. A descoberta pode ajudar os pesquisadores a compreender a diversidade de formas nas quais os elementos pesados ​​do universo, como o ouro, se originaram. Os resultados foram publicados na revista Nature.

A estrela em questão, chamada SMSS J200322.54-114203.3, está a 7.500 anos-luz do Sol e fica no halo, periferia de nossa galáxia. A equipe acredita que uma explosão estelar chamada de “hipernova” — 100 vezes mais enérgica que uma supernova — é responsável pela química incomum da estrela. Elementos mais pesados ​​que o ferro requerem forças intensas para serem criados: a fusão de estrelas de nêutrons, bem como o colapso de grandes estrelas em explosões de supernova, são duas formas comuns. Elementos pesados ​​são forjados quando elementos mais leves absorvem muitos nêutrons, alguns dos quais decaem em prótons, eventualmente pousando em um isótopo estável de um elemento pesado.

Esses elementos são então dispersos no meio interestelar pela força da explosão ou colisão, eventualmente terminando em outras estrelas e planetas, como a Terra.

Os cientistas dizem que a química dessa estrela em particular — um conteúdo muito baixo de ferro e quantidades muito altas de nitrogênio, zinco, európio e tório — apontou para uma fonte diferente de elementos pesados ​​do que a fusão típica de estrelas de nêutrons.

“A questão-chave que esta pesquisa aborda é: ‘Como os elementos mais pesados ​​foram produzidos no início do universo?’”, questiona David Yong, astrônomo da Australian National University e principal autor do recente artigo. “As fusões de estrelas de nêutrons (os remanescentes extremamente densos de estrelas massivas) foram recentemente confirmadas como fontes. Nossos resultados revelam a hipernova magneto rotacional (uma explosão energética de uma estrela em rotação rápida com campos magnéticos) como outra fonte desses elementos pesados”, complementa.

A equipe procurava por uma estrela com grande quantidade de elementos pesados ​​como zinco, tório e európio. Os pesquisadores examinaram 26 mil  estrelas do telescópio  SkyMapper Southern Sky Survey, projeto que construiu um catálogo de cerca de 600 milhões de objetos no céu noturno.

Assine a newsletter do Gizmodo

Eles se reduziram a um conjunto de 150 candidatos, mas apenas a SMSS J200322.54-114203.3 tinha a assinatura específica de alto teor de nitrogênio e zinco que a equipe estava procurando. A estrela tinha mais elementos pesados ​​do que deveria, com base nas taxas e energias conhecidas de mortes estelares.