O sistema alimentar mundial é uma importante fonte de poluição por gases de efeito estufa, desde as emissões causadas pela agricultura e pecuária até aquelas liberadas pelos aviões, trens e caminhões usados ​​para transportar mantimentos. Agora, um novo relatório mostra que os corredores com freezer de supermercados também podem ser uma fonte ainda maior de poluição do que pensávamos.

A maioria das tecnologias de resfriamento emite gases de efeito estufa chamados hidrofluorocarbonos (HFCs), que têm potencial de aquecimento milhares de vezes maior do que o dióxido de carbono. A Environmental Investigation Agency, uma organização sem fins lucrativos de defesa do meio ambiente, conduziu um estudo disfarçado usando sensores de vazamento padrão da indústria para detectar emissões de HFC em 45 grandes redes de supermercados em Washington, D.C., Maryland e Virgínia.

O grupo também usou uma câmera infravermelha para tornar os vazamentos ilícitos visíveis ao olho humano. (Você pode conferir este vídeo para ver um exemplo de uma mercearia gigante.) A investigação se concentrou principalmente no Walmart, por ser o maior varejista dos EUA, mas também examinou outras redes, incluindo Aldi, Safeway, Trader Joe’s e Whole Foods.

Os autores descobriram que mais da metade das lojas que eles pesquisaram estavam emitindo HFCs. Dos 20 Walmarts visitados pelos investigadores, foi possível detectar poluição por HFC em 60% deles. Eles documentaram vazamentos em 55% dos outros supermercados que visitaram, “consistente com as preocupações de que vazamentos de refrigeradores são um problema de toda a indústria”, diz o relatório.

A quantidade de poluição que os sensores captaram variou amplamente, de apenas 2 partes por milhão (ppm) a 182 ppm. Mas de acordo com a empresa Bacharach, que fabricava os detectores de vazamento usados ​​pelos investigadores, mesmo uma leitura de 2 ppm pode indicar um problema maior.

“Sempre tenha em mente que os vazamentos vão ser uma dispersão, então 2 ppm em [um local] pode ser um vazamento muito maior, pois o ar se mistura e se dispersa pela unidade”, diz um vídeo de instrução da empresa.

Os vazamentos ocorreram apesar das promessas de algumas cadeias de controlar a poluição por gases de refrigeração. Em 2010, por exemplo, o Walmart, bem como outros megavarejistas, assinaram a Resolução do Fórum de Bens de Consumo sobre Refrigerantes para começar a eliminar os HFCs a partir de 2015. Mas não está claro se eles fizeram algum progresso, já que o relatório Ambiental, Social e de Governança 2020 da empresa não menciona as metas relacionadas aos gases refrigerantes.

Em setembro passado, a empresa aparentemente redobrou seus esforços, prometendo que está “fazendo a transição para refrigerantes de baixo impacto para resfriamento e equipamentos eletrificados para aquecimento em suas lojas, clubes e centros de dados e distribuição até 2040”. Mas, como observa o novo relatório, a promessa é vaga.

“Neste anúncio, ‘refrigerantes de baixo impacto’ não estão definidos, nem há metas intermediárias nas próximas duas décadas para atingir esses objetivos”, escreveram os autores do relatório. “O Walmart também falhou em oferecer um plano para resolver os vazamentos atuais de HFCs de suas lojas em seu anúncio.”

A procrastinação dos varejistas dos EUA está tendo um impacto terrível no clima. Novos dados da Agência de Proteção Ambiental (EPA) divulgados na sexta-feira mostram que a poluição nacional por HFC aumentou 4 milhões de toneladas métricas entre 2018 e 2019. Supermercados não são a única fonte dessas emissões ou do aumento; os HFCs são comumente usados ​​em muitas indústrias, bem como em ar condicionado doméstico.

Ainda assim, de acordo com o relatório anterior da Agência de Investigação Ambiental baseado em dados da EPA, as dezenas de milhares de refrigerantes HFC de supermercados do país produzem tanta poluição que contribui para o aquecimento global anualmente quanto queimar 22 bilhões de quilos de carvão.

Sem grandes mudanças, as projeções federais indicam que os HFCs serão o equivalente a até 19% das emissões de dióxido de carbono até 2050. Mas não precisa ser assim. Temos a tecnologia para mudar de curso agora. Refrigerantes alternativos com muito menos impacto climático, como dióxido de carbono, propano e amônia, já estão disponíveis no mercado.

Já existem cerca de 600 supermercados nos Estados Unidos que usam exclusivamente refrigerantes sem HFC, mas o país está muito aquém do progresso em outras partes do mundo. A Europa, por exemplo, já possui 26 mil supermercados que utilizam essas tecnologias.

De acordo com a EPA, lidar com as emissões de HFC é a maior oportunidade única do país para a mitigação das mudanças climáticas. Felizmente, parece que os EUA podem finalmente levar a sério a regulamentação desses produtos químicos superpoluentes fora de uso. Em dezembro, o Congresso aprovou um plano para reduzir rapidamente a produção e o uso de HFCs. E no mês passado, o presidente Joe Biden instruiu seu governo a aderir à Emenda Kigali, um acordo internacional para interromper o uso de produtos químicos refrigerantes até meados deste século.