Um novo estudo revelou que, após um aumento misterioso na década de 2010, um produto químico destruidor da camada de ozônio está mais uma vez em declínio. É uma rara notícia boa, mostrando que pesquisas anteriores que acompanharam o aumento provavelmente tiveram um impacto.

O artigo, publicado na revista Nature nesta quarta-feira (10), foca no CFC-11, uma substância química que esgota o ozônio e aquece o planeta. Ele mostra que depois de um pico de meia década em que a poluição por CFC-11 aumentou, a produção mundial do composto caiu em 2019 para níveis próximos à média observada entre 2008 e 2012.

Essa é uma ótima notícia para o buraco na camada de ozônio e as temperaturas globais. O CFC-11 é um tipo de clorofluorocarbono, uma classe de gases que já foi amplamente utilizada para refrigeração e ar condicionado e como solventes químicos. Mas o uso desses produtos químicos reduziu a camada de ozônio que protege a Terra dos nocivos raios ultravioleta do sol, além de serem gases de efeito estufa muito potentes. (O CFC-11 tem, especificamente, 5.000 vezes o potencial de aquecimento global do carbono no curto prazo.)

Em 1987, os líderes mundiais se reuniram para assinar o Protocolo de Montreal, um acordo para reduzir o uso de CFC. O tratado funcionou – uma vez que os líderes prometeram parar de usar CFCs, os fabricantes pararam de usá-los principalmente na produção e o ozônio está se recuperando. Mas, há alguns anos, os cientistas descobriram que, entre 2013 e 2018, as emissões de um tipo de CFC, o CFC-11, aumentaram, apesar dos relatórios globais de produção quase zero desde 2010. Isso sugere que as emissões de uma fonte não relatada estavam aumentando.

“Não sabemos ao certo o que causou o aumento das emissões de CFC-11 após 2013, mas muitos especialistas acreditam que foi provavelmente devido à nova produção de CFC-11 para fazer nova espuma [de isolamento] após a eliminação gradual obrigatória da produção de CFC em 2010 pelo Protocolo de Montreal”, disse Stephen Montzka, cientista atmosférico da National Oceanic and Atmospheric Administration com sede em Boulder, Colorado, que liderou o estudo, por e-mail.

Para determinar como o progresso na eliminação do CFC-11 está indo desde então, Montzka e seus coautores analisaram dados dos laboratórios de monitoramento da NOAA, que medem as concentrações de CFC coletando amostras de ar de 13 locais ao redor do mundo usando frascos.

“Os frascos são enviados de volta ao meu laboratório em Boulder e analisados ​​em instrumentação de laboratório customizada para determinar a concentração de CFC-11 e outros gases”, disse Montzka.

Os autores descobriram que os níveis atmosféricos de CFC-11 estão diminuindo novamente. Especificamente, eles descobriram que em 2019, o mundo emitiu 57.320 toneladas do gás nos Estados Unidos em 2019, o que é quase 20.000 toneladas a menos que a produção de 2018. Simplificando, estamos de volta aos trilhos.

Outro novo estudo publicado na mesma edição da Nature analisou os mesmos dados dos locais de monitoramento da NOAA e descobriu que cerca de 60% dessa redução foi o resultado de cortes de emissões especificamente no leste da China – provavelmente devido a repressões locais nas fábricas em meados de 2019.

“Foi relatado que as autoridades chinesas reagiram, apreendendo CFCs, prendendo e destruindo instalações de produção”, escreveu por e-mail Luke Western, cientista atmosférico da Universidade de Bristol e principal autor do segundo estudo.

Essas repressões vieram em resposta à pesquisa de 2019 também liderada por Western que mostrou que entre 40% e 60% do aumento inesperado nas emissões na década de 2010 foi causado provavelmente pelo uso ilícito de CFC-11 em fábricas na província costeira de Shandong e na província do interior de Hebei, que produziam espuma para geladeiras e isolamento de edifícios.

Assine a newsletter do Gizmodo

Para ver se essas ações fizeram alguma diferença, os pesquisadores examinaram especificamente os dados sobre as concentrações de CFC-11 de duas estações de medição no Leste Asiático. Usando modelos de computador que simulam os padrões de transmissão atmosférica de gases, eles foram capazes de determinar onde exatamente as emissões estavam ocorrendo. Eles determinaram que, no leste da China, a produção de CFC-11 em 2019 era cerca de 10.000 toneladas menos do que em 2018, o que significa que praticamente toda a nova poluição ilícita da região foi eliminada.

Os pesquisadores ainda não sabem de onde vieram os 40% restantes ou mais do misterioso aumento nas emissões de CFC-11 entre 2013 e 2018, mas, felizmente, parece que também foi eliminado entre 2018 e 2019. Western disse que pesquisas futuras podem ajudá-los a determinar o culpado, mas que sua prioridade – e a prioridade dos signatários do Protocolo de Montreal – é localizar a fonte de todas as emissões de CFC restantes para erradicá-las.

“O foco principal é expandir a cobertura de medição atual para garantir que quaisquer desafios futuros possam ser resolvidos”, disse Western.

Montzka disse que o fim rápido das emissões de CFC-11 “garantirá que a camada de ozônio se recupere o mais rápido possível”. Isso é importante, pois a camada bloqueia a radiação ultravioleta prejudicial que pode afetar a vida das plantas e animais, além de causar queimaduras de sol e doenças oculares em humanos. Menos CFC-11 também significa menos aquecimento.

Mas, ao mesmo tempo, Montzka observou que o composto não é o principal contribuinte para a crise climática – embora seja potente, as emissões estão longe da escala de outros gases de efeito estufa, como dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Também precisamos reduzir as emissões de outros gases de efeito estufa, incluindo aqueles emitidos por substitutos de produtos químicos que destroem a camada de ozônio, para garantir um futuro habitável.