Para a maioria das pessoas, o único motivo para usar relógio de pulso é mostrar para outras pessoas que você é daquele tipo que ainda usa relógio. (Ou você é um terrorista.) Mas o Meta Watch não é só um relógio de pulso.

Ding. Mensagem de texto. Dong. Novo e-mail. Ding. Um compromisso. Dong. Previsão do tempo é ruim. Ding. Um tweet. Geralmente, essas coisas, ou a notificação sonora dessas coisas, iriam fazer você tirar seu smartphone do bolso. Se você estivesse usando um Meta Watch, no entanto, você só iria dar uma olhada no pulso, enquanto seu smartphone envia as atualizações mais urgentes, o que você realmente precisa saber, direto para o relógio via Bluetooth. (Ele lembra o LiveView, da Sony Ericsson.)



[viddler http://www.viddler.com/mini/9128a873/]

Você também pode ver o vídeo aqui

Este é o cenário básico que dá pra imaginar com o Meta Watch, a plataforma de relógios de pulso conectados da Fossil. Agora, a Fossil só disponibiliza o relógio para desenvolvedores de apps, para eles criarem aplicações legais – espera-se que ele esteja pronto para todos em um ano ou dois, quando houver apps muito bons para ele. Devido à forma como os apps usam o framework do Android espalhado por todo o sistema, existe um potencial enorme de criar novas formas para conectar o relógio a um smartphone ou tablet. O kit de desenvolvimento é completamente open-source, então conectar o relógio ao celular é só uma de várias direções que os desenvolvedores podem tomar. (Basicamente, qualquer tipo de informação útil poderia aparecer no seu pulso.)

Agora há duas configurações básicas de hardware: uma combinação digital-analógica com visual mais clássico, com duas telas OLED para exibir informações; e um relógio completamente digital com uma tecnologia reflexiva sempre ativada, que é um pouco mais versátil quando ao que pode ser exibido na tela. Ambos têm Bluetooth, acelerômetro, sensor de luz e bateria recarregável. Se você for desenvolvedor ou um nerd (como nós), você pode adquirir um deles na pré-venda, por US$200; ele será entregue a partir de 30 de junho.

Este aparelho esperto com a hora e dados pode não ser o tipo de coisa que todo mundo colocaria no pulso. Mas se existe algo que traria os relógios de pulso de volta à tona, mais do que apenas a moda, poderia ser o Meta Watch – ou algo parecido. [Metawatch; pré-venda na TI]