Atualização [11/11]: A Folha de S.Paulo noticia que a Prefeitura revogou a bandeira 3 por causa da repercussão ruim da medida. A Prefeitura disse que a tarifa era uma reivindicação da categoria, mas o porta-voz do sindicato dos taxistas autônomos ouvido pela Folha disse que muitos motoristas foram pegos de surpresa com a novidade. Em assembleia, eles consideraram que os táxis poderiam perder ainda mais espaço para os aplicativos de transporte e decidiram pedir a revogação da nova bandeira.

Abaixo, você lê o texto original sobre a medida, publicado no dia 6 de novembro de 2019

Se você já precisou pegar um carro por aplicativo na saída de um grande evento, como um show ou um jogo de futebol, deve ter visto um preço muito mais alto que o comum. Isso acontece por causa da tarifa dinâmica, que ajusta o preço da viagem como forma de atrair mais motoristas. Os táxis paulistanos também terão uma espécie de equivalente da tarifa dinâmica. A Prefeitura regulamentou a bandeira 3, exclusiva para grandes eventos e com preço pelo quilômetro rodado 30% mais caro que a bandeira 2.

Segundo o texto da portaria publicada no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, a bandeira 3 “somente poderá ser aplicada em viagens iniciadas na saída de grandes eventos, como espetáculos, feiras, congressos, eventos esportivos e acontecimentos oficiais da cidade, que forem previamente cadastrados no Departamento de Transportes Públicos – DTP”.

A bandeira 3 começa a valer no dia 1º de dezembro, mas não é obrigatória. É a mesma coisa que como acontece com a bandeira 2: usada em domingos, feriados e noites de segunda a sábado, ela se tornou opcional em 2016. Além disso, o motorista será obrigado a informar ao passageiro sobre o uso da bandeira. Também está previsto um aviso sobre o painel enquanto o veículo estiver estacionado, de acordo com um modelo ainda a ser aprovado pelo DTP.

Enquanto não há uma atualização dos taxímetros para a nova bandeira, uma tabela com o acréscimo de 30% sobre o valor do quilômetro rodado na bandeira 2 deverá ser disponibilizada. Como a viagem de táxi comum tem também a cobrança da bandeirada (R$ 4,50) e do tempo (R$ 33 por hora), o acréscimo sobre o valor total não chega a 30%. Pela tabela disponibilizada no Diário Oficial, uma viagem de R$ 50,10 no táxi comum vai para R$ 61,73, por exemplo.

Em comunicado, a Prefeitura diz que a novidade “atende a uma demanda da categoria”. A ver se os taxistas vão optar por essa cobrança na saída de grandes eventos ou continuam com a velha prática de tentar “combinar” antes da corrida um valor fechado (e alto) para transportar o passageiro.

Uma alternativa pode ser tentar usar o aplicativo de táxi da própria Prefeitura de SP, que permite que o motorista ofereça descontos ao passageiro. Ou, claro, usar os aplicativos de transporte com carros privados.

[Prefeitura de São Paulo, UOL]