Está prevista a construção de um grande conjunto telescópico dedicado à detecção de fontes naturais e artificiais de luz óptica e infravermelha. Uma vez operacional, o sistema, chamado PANOSETI, será capaz de escanear o céu inteiro, aumentando significativamente nossas chances de detectar sinais de laser alienígenas.

Em desenvolvimento desde 2018, o PANOSETI, sigla de “Pulsed All-sky Near-infrared Optical SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence; “busca por inteligência extraterrestre”, em tradução livre)”, atualmente consiste em dois protótipos de telescópios estacionados no Observatório Lick, perto de San Jose, Califórnia, de acordo com um comunicado de imprensa da UC San Diego. Esses telescópios começaram a coletar dados brutos, permitindo que os pesquisadores, liderados pelo físico e astrônomo Shelly Wright, da UC San Diego, testem o novo design. É um começo modesto, pois todo o conjunto pode eventualmente consistir em centenas de telescópios.



Este projeto é uma colaboração entre UC San Diego, UC Berkeley, Observatórios da Universidade da Califórnia e Universidade de Harvard, cujo objetivo é construir um observatório óptico SETI dedicado capaz de escanear todo o céu observável. Sem dúvida, o sistema será usado para observar fenômenos naturais, como rajadas rápidas de rádio – pulsos misteriosos de energia que emanam de fora de nossa galáxia. O PANOSETI também pode ser usado para estudar pulsares, o desaparecimento de buracos negros primordiais, entre outros fenômenos celestes conhecidos e desconhecidos.

Dois telescópios PANOSETI instalados no Astrograph Dome, recentemente reformado, no Lick Observatory, em San Jose, Califórnia. Imagem: Laurie Hatch

O projeto parece ótimo – e certamente muito importante -, mas o verdadeiro objetivo do PANOSETI é detectar sinais alienígenas. Diferentemente do rádio SETI, esses telescópios buscarão breves, mas poderosos, flashes de luz óptica, além de rápidas rajadas de radiação infravermelha.

O rádio tradicional SETI, que existe desde os anos 1960 (e foi apresentado no filme de ficção científica de 1997 Contact), procura detectar vazamentos de rádio e sinais de rádio deliberados de fontes extraterrestres. O SETI óptico é semelhante, mas seu foco principal é a luz, como pequenas rajadas de raios laser. A luz do laser não tende a se degradar com a distância, como as ondas de rádio, tornando-a uma fonte de sinal ideal para uma civilização alienígena que procura entrar em contato com seus vizinhos extraterrestres (aqui na Terra, nos referimos a essa abordagem como METI – mensagens para inteligência extraterrestre). Essa luz laser poderia chegar na forma de pulsos semelhantes ao código Morse, sugestivos de origem artificial em vez de natural.

“É difícil prever o que outras civilizações podem estar fazendo, que tipo de tecnologia elas podem usar para comunicação, navegação, proteção planetária e como podemos detectar sua presença. Portanto, a melhor estratégia em SETI é uma estratégia múltipla, para procurar diferentes tipos de sinais e artefatos da tecnologia ET”, explicou Dan Werthimer, membro da equipe PANOSETI e tecnólogo-chefe do SETI Research Center da UC Berkeley, em um e-mail ao Gizmodo. Ele acrescentou que “o rádio é bom para a comunicação omnidirecional, os lasers são bons para a comunicação ponto a ponto de alta taxa de dados”.

A possibilidade de existir vida inteligente em outros lugares da galáxia é uma das questões mais profundas e sem resposta da condição humana.

O PANOSETI também será capaz de detectar a radiação infravermelha (IR), que poderia ajudar na detecção de esferas extraterrestres de Dyson – megaestruturas hipotéticas popularizadas pelo falecido Freeman Dyson. Construídas por alienígenas avançados, essas estruturas maciças envolveriam uma estrela inteira com o objetivo de extrair energia solar. Essas estruturas não seriam completamente invisíveis do lado de fora, pois vazariam radiação infravermelha em certas bandas. O PANOSETI poderia, em teoria, detectar essa luz infravermelha. Werthimer alertou que o sistema “não foi projetado especificamente com megaestruturas em mente”. Ele disse que é ‘possível’ que o PANOSETI possa ser usado desta forma, mas o sistema funciona melhor na detecção de flashes curtos de vazamento de luz infravermelha, ao invés de lento.

Seja óptico ou infravermelho, no entanto, provar que esses sinais vêm de uma fonte alienígena representaria um conjunto diferente de desafios; mas isso é outra história. Obviamente, não sabemos se existem alienígenas ou se algum tipo de estratégia SETI é capaz de detectar alienígenas, mas temos que tentar. A possibilidade de existir vida inteligente em outros lugares da galáxia é uma das questões mais profundas e sem resposta da condição humana.

O PANOSETI realizará pesquisas exaustivas em resoluções sem precedentes. O sistema poderá detectar sinais em escalas de tempo de nanossegundos (um bilionésimo de segundo!), e escanear todo o céu observável. Cada telescópio observará um pedaço do céu medindo 10 graus por 10 graus (em comparação, a Lua ocupa cerca de 0,5 graus do céu), daí a necessidade de vários observatórios.

Uma vez ligado e totalmente operacional, o sistema examinará um espaço amplamente inexplorado.

“A maioria dos SETI é em frequências de rádio, e muito pouco tem sido feito na visível e IR, muito pouco em escalas de tempo de bilionésimos de segundo, e nenhum com um amplo campo de visão como o PANOSETI que pode detectar eventos raros”, Werthimer disse ao Gizmodo. “A maioria das pesquisas SETI observa um milionésimo do céu de cada vez – como olhar através de um canudo -, se o sinal não estiver ligado o tempo todo, é quase impossível detectar [sinais] se você puder observar apenas uma pequena parte do céu de cada vez”.

A equipe PANOSETI ainda está considerando possíveis locais para o conjunto. Werthimer deu a entender que o Observatório Palomar, em San Diego, é um dos principais candidatos e que, idealmente, eles colocariam “um par de cúpulas no hemisfério sul e no outro lado do nosso planeta”. A construção está prevista para começar em 2021.

Para finalizar, tenho uma mensagem para alienígenas emissores de laser. Apareçam! Agora temos o poder de detectá-los.