Um telescópio no Canadá encontrou a fonte de misteriosas explosões rápidas de rádio que se repetem a cada 16 dias, de acordo com um novo estudo. É a primeira emissão de rádio rápida que se repete regularmente conhecida pela ciência.

Explosões rápida de rádio (ou FRB, fast radio bursts) são explosões de rádio brilhantes que se originam no espaço profundo. Após a descoberta inicial da explosão rápida de rádio em 2001, os astrônomos encontraram mais desses eventos, no início esporadicamente e agora com mais frequência com a ajuda do Projeto CHIME/FRB (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment Fast Radio Burst). Embora os cientistas tenham encontrado anteriormente explosões rápidas de rádio repetidas, o objeto recém relatado, chamado FRB 180916.J0158+65, é o primeiro conhecido a explodir em intervalos regulares.

No ano passado, o CHINE/FRB relatou ter encontrado oito novas fontes de explosões rápidas de rádio, incluindo esta repetição, que está localizada em um galáxia espiral relativamente próxima. De setembro de 2018 a novembro de 2019, o experimento detectou 28 explosões de FRB 180916.J0158+65, de acordo com o artigo recentemente publicado no servidor de pré-impressão de física arXiv.

Com base em testes estatísticos, realizado pela colaboração internacional de cientistas liderados pelo Instituto Canadense de Astrofísica Teórica Dongzi Li, o FRB 180916.J0158+65 emitiu seu blip rápido a cada 16 dias ou mais. Eles tinham dados suficientes para mais ou menos descartar que a periodicidade era devido à coincidência. A Rede Europeia de Telescópios de Interferometria de Bacia Muito Longa (EVN) corroborou a fonte ao detectar um estouro desta FRB em 19 de junho de 2019.

CHIME é um radiotelescópio no Sul da Columbia Britânica que consiste em quatro meio cilindros colocados lado a lado, agindo como antenas fixas para mapear o céu. Ele foi projetado para mapear a emissão de hidrogênio, o elemento mais abundante do universo, graça ao seu amplo campo de visão e à ampla gama de frequências de radiação eletromagnética que ele pode capturar. Mas o instrumento também consegue caçar FRBs, pois varre 1.024 pontos no céu a 16 mil frequências diferentes, 1.000 vezes por segundo, de acordo com o site do CHIME.

A simples presença da periodicidade neste FRB pode dar pistas sobre qual objeto poderia estar produzindo, de acordo com o estudo. Talvez, o que quer que esteja produzindo as explosões de rádio forme um binário com outro corpo celeste, embora os dados atuais não revelem a identidade do FRB ou de seu companheiro. Talvez o objeto seja um magnetar rotativo, uma espécie de estrela de nêutrons compacta e magnetizada — embora os pesquisadores apontem que os magnetares normalmente têm períodos de rotação inferiores a 12 segundos, muito mais curtos do que os 16 dias registrados.

Pesquisadores com conhecimento do artigo recusaram-se a falar com o Gizmodo, uma vez que a versão revisada por pares do artigo está atualmente sob embargo por uma grande revista científica.

O artigo conclui que futuras observações deverão ser realizadas com todas as frequências possíveis, a fim de distinguir entre várias hipóteses sobre o que este FRB poderia ser.

Existe bastante animação na cobertura de FRBs devido à sua natureza verdadeiramente alienígena, embora provavelmente não sejam sinais de uma sociedade extraterrestre inteligente. Embora os cientistas já tenham detectado a repetição de FRBs anteriormente, mais observações de FRBs que se repetem periodicamente podem ajudar a esclarecer alguns pontos — ou confundir ainda mais — os estudos sobre o assunto.