A resposta é simples: bastante.

O youtuber JerryRigEverthing submeteu o novo smartphone da Samsung a uma bateria de testes de tortura, incluindo uma sequência de raspagens na parte frontal e traseira, um teste com um isqueiro aceso na tela e tentativas de dobrar o telefone.

>>> [Hands-on] Galaxy S7 e S7 Edge: resolvendo os problemas da geração anterior
>>> Seis coisas que você precisa saber sobre o Samsung Galaxy S7 e S7 Edge

A tela de vidro temperado sobreviveu a raspagens até o nível 7 da escala de Mohs — o que coloca a tela em uma escala de resistência próxima ao quartzo. No fundo, isso quer dizer que se você colocar o smartphone em um bolso com uma chave, ele não terá muitos problemas.

O fogo do isqueiro parece não afetar o desempenho o Edge. Isso acontece graças ao corpo de alumínio sólido e pelo sistema interno de resfriamento líquido do aparelho.

Embora tentativas seguidas de dobrar o aparelho possam quebrar a vedação que torna o aparelho à prova d’água, ele não chegou a quebrar nos testes, o que é bom, pois ainda não se tem notícia de smartphones que podem ser dobrados intencionalmente e ficarem intactos.