O aparelho, fabricado pela Onda, parece não ficar muito longe dos xing-lings: a fabricante está no país há pouco tempo e tem como foco os minimodens 3G, mas decidiu apostar no mercado dos dois chips com o Onda N235, um aparelho bem simples, mas com comodidade de um teclado QWERTY. As grandes diferenças são: ele tem certificação da Anatel, provavelmente uma bateria que dura mais de duas horas e, principalmente, que será vendido diretamente pela TIM, por R$ 264.

A estratégia diferente da TIM é de que parte dos usuários poderão utilizar os dois slots para a operadora. É também um sinal de como o crescimento da operadora é visível, com promoções de pré-pago e pós-pago tanto em ligações quanto para internet. Mas há um detalhe importante: cresce cada vez mais o número de reclamações em relação à rede da TIM, que tem apresentado mais falhas do que o normal. E você, caro leitor? O que acha? O Onda N235 irá apenas colaborar com o sobrecarregamento da operadora ou é uma boa sacada visando as classes menos abastadas?