Pesquisadores criaram a tinta branca mais branca de todos os tempos

Tinta promete refletir até 98,1% da luz solar e refrescar mais o ambiente.

Xiulin Ruan mostra sua amostra de laboratório da tinta mais branca já registrada. Isso é um pouco de tinta branca! Foto: Purdue University/Jared Pike

Se você já refez um cômodo de sua casa e foi à loja de materiais de construção para comprar uma tinta nova, sabe que existem muitos tons diferentes de branco no mercado. Acontece que há mais um novo tom — e que pode ter algumas implicações climáticas bem legais.

Em um estudo publicado nesta quinta-feira (15) na ACS Applied Materials & Interfaces, pesquisadores da Universidade de Purdue afirmam terem criado a tinta mais branca do planeta. Segundo eles, este composto reflete até 98,1% da luz, o que é um recorde: no outono passado, eles já haviam desenvolvido uma tinta que refletia 95,5% da luz solar.

Correr no caminho para se chegar à tinta mais branca de todas por apenas alguns pontos percentuais pode parecer uma completa perda de tempo. No entanto, quando se trata dos efeitos de resfriamento das tintas brancas, essas pequenas porcentagens são importantes.

Qualquer pessoa que saiu de casa em um dia quente de verão sabe que deve usar roupas brancas, pois reflete a luz do sol, enquanto o preto absorve tudo e te faz passar muito calor. Mas as tintas brancas que estão atualmente no mercado com rótulos como “ultra reflexiva” ou “alto reflexivo” refletem apenas cerca de 80% a 90% da luz, disse Xiulin Ruan, um dos principais autores do estudo. Isso pode ser o suficiente para fazer sua cozinha parecer completamente limpa diariamente — mas se estamos falando sobre propriedades de resfriamento, é menos eficaz.

“Achamos que 90% a 98% não são muito diferentes, mas precisamos pensar sobre a absorção da luz solar”, disse Ruan. “Nossa tinta absorve 1,9% da luz do sol, mas essas tintas comerciais, mesmo com coberturas refletantes, absorvem 10% da luz do sol – cinco vezes mais do que a nossa . Elas realmente parecem brancas, mas não são o suficiente – eles não são capazes de resfriar além da temperatura ambiente”.

A equipe de Ruan tem trabalhado há mais de sete anos na busca por tornar as tintas brancas ainda mais brancas, elaborando métodos para adicionar materiais refletivos à tinta para ajudá-la a combater a luz solar. Esta tinta branca incorpora com sucesso altas concentrações de sulfato de bário — um composto químico que é usado para fazer cosméticos brancos e papel fotográfico — com partículas de tamanhos diferentes espalhadas por toda a tinta.

“A luz solar tem cores diferentes porque tem comprimentos de onda diferentes”, explicou Ruan. “Precisamos de tamanhos de partícula diferentes para espalhar cada comprimento de onda.”

O desenvolvimento deste tipo de tinta ultra reflexiva pode mudar a forma com que projetamos edifícios à medida que nosso mundo fica cada vez mais quente. Há um crescente corpo de trabalho em torno de como as escolhas de design urbano – desde mudar telhados de asfalto superaquecidos e superabsorventes por superfícies reflexivas, por exemplo, ou até construir em parques ou outros pontos verdes em cidades para literalmente resfriar a área – podem nos ajudar a diminuir o calor nas cidades e em outros espaços construídos sem usar mais energia para alimentar os condicionadores de ar.

Ruan e sua equipe têm grandes visões para o potencial da tinta. Eles estimam que o uso de tinta branca super reflexiva em grande escala em cidades como Reno, em Nevada ou Phoenix, no Arizona, pode economizar até 80% nos custos de ar condicionado. “Se você tem dias muito quentes, nossa tinta sozinha não dá conta do recado, mas em outros dias pode impedir que ligue o ar-condicionado”, disse ele.

Esses tipos de estratégias climáticas parecem a solução para todos os nossos problemas, mas ainda há muito do mundo real a ser levado em consideração quando se pensa em projetar cidades para vencer o calor. “Para tornar as cidades mais reflexivas, é preciso ser muito, muito prático”, disse Hashem Akbari, professor de engenharia civil e construção ambiental na Universidade de Concordia.

Akbari apontou que o desgaste regular em telhados ou paredes reflexivas pode afetar as porcentagens de refletividade medidas em um ambiente de laboratório. “A fuligem e a poeira tendem a diminuir a refletividade da superfície”, disse. “Se eles começarem com impressionantes 95% de refletividade os poluentes do ar, as gotas e a fuligem podem se acumular na superfície e diminuem os refletantes.”

Ainda assim, Akbari disse que começar a substituir regularmente os telhados, que precisam de atualizações a cada poucas décadas ou mais, por materiais mais reflexivos – independentemente da brancura da tinta que você usa ou da porcentagem que ela realmente reflete – seria um ótimo começo para a maioria das cidades.

“Se cada telhado que precisava ser substituído pudesse ser substituído por um telhado altamente refletivo, em um período de 10 a 30 anos todos os telhados serão altamente refletivos. Então, você não precisaria usar uma tecnologia específica, como um revestimento ”, disse ele. “Devemos encorajar o marketing e o isolamento de materiais refletivos à medida que os telhados estão sendo alterados”.

Sair da versão mobile