Uma nova pesquisa esta semana oferece alguma esperança para pelo menos um aspecto de nossa imunidade ao coronavírus que causa COVID-19. O estudo, conduzido por pesquisadores no Reino Unido, encontrou evidências de que certas células T criadas para combater o coronavírus durante a infecção continuam a mostrar uma resposta “robusta” pelo menos seis meses depois. Acredita-se que essa resposta imune celular desempenhe um papel importante na prevenção de reinfecções ou na redução da gravidade de uma infecção subsequente, ao lado de outros componentes de nossa imunidade, como anticorpos.

A nova pesquisa faz parte do UK Coronavirus Immunology Consortium, um estudo nacional apoiado pelo governo do Reino Unido que envolve várias universidades. Como parte do projeto, os pesquisadores acompanharam 100 voluntários que testaram positivo para anticorpos contra o coronavírus em março ou abril. Embora algumas pessoas tenham desenvolvido sintomas no momento do diagnóstico, nenhuma necessitou de hospitalização.

As células T são uma das principais células do sistema imunológico. Eles realizam uma ampla variedade de funções durante uma infecção, desde tentar matar diretamente as células infectadas até ajudar outras células a fazerem melhor seu trabalho, incluindo aquelas que produzem as proteínas que chamamos de anticorpos.

Como os anticorpos, nosso corpo pode produzir células T que “lembram” especificamente de um patógeno anterior e são capazes de entrar em ação quando ele tenta nos reinfectar.

Em comparação com o estudo de como os anticorpos respondem a um germe, a resposta imunológica celular de uma pessoa é mais complexa e difícil de medir. Isso torna este estudo um dos mais importantes e maiores de seu tipo.

Os primeiros resultados, divulgados em um artigo no site de pré-impressão bioRxiv na terça-feira (3), certamente parecem animadores. Todos os voluntários pareceram desenvolver células T específicas para o vírus logo após o diagnóstico, descobriram os pesquisadores. E quando o sangue dos voluntários foi estudado seis meses depois, essas células T pareciam permanecer em seu sistema.

“Até onde sabemos, nosso estudo é o primeiro no mundo a mostrar que a imunidade celular robusta permanece seis meses após a infecção em indivíduos que experimentaram sintomas leves/moderados ou eram assintomáticos”, disse Paul Moss, hematologista da Universidade de Birmingham e um dos os principais cientistas do projeto, em comunicado divulgado pelo Consórcio na terça-feira.

A imunidade a uma doença como COVID-19, como discutimos antes, é complicada. Algumas pesquisas sugeriram que os anticorpos específicos do coronavírus podem desaparecer em apenas três meses, mas outras pesquisas sugeriram que os anticorpos mais importantes — aqueles que impedem diretamente o vírus de infectar novas células — podem ser mantidos na maioria dos sobreviventes por pelo menos cinco meses. E ainda existem outras partes do sistema imunológico relevantes para COVID-19 que não foram estudadas em muitos detalhes, como as células B de memória.

Os especialistas esperam que nossa imunidade natural ao coronavírus comece a diminuir eventualmente. Eles tomam como base nosso histórico com outros coronavírus que nos deixam doentes (ainda é incerto como a imunidade induzida pela vacina funcionará). Mas as descobertas desse novo estudo e de outros sugerem que algum nível de proteção deve durar mais do que alguns meses.

Essa proteção pode não necessariamente impedir a reinfecção em todos os casos (na verdade, estamos começando a ver casos esparsos de reinfecção relatados em todo o mundo), mas provavelmente diminuirá o impacto de uma segunda infecção se acontecer, disseram especialistas ao Gizmodo.

Ainda há muito a ser compreendido sobre nossa resposta imunológica ao COVID-19, e as descobertas desse estudo fornecerão novas pistas para os cientistas.

Por exemplo, o estudo descobriu que as pessoas que apresentaram sintomas tendem a ter uma resposta das células T mais forte do que aquelas que eram assintomáticas, o que pode sugerir que os sobreviventes sintomáticos estão mais protegidos.

O nível de resposta das células T das pessoas ao longo do tempo também está fortemente correlacionado ao seu nível de anticorpos contra o vírus, enquanto uma resposta maior das células T no início foi associada a um declínio mais lento dos anticorpos. Isso provavelmente significa que quaisquer vacinas futuras terão que provocar uma forte resposta de células T, além de uma resposta de anticorpos. Dessa forma, elas teriam a melhor eficácia possível.