O trem-bala que ligará Campinas ao Rio de Janeiro, passando por São Paulo, é uma obra caríssima e polêmica. Para ser ainda mais discutível, uma novidade: demorará mais que o previsto para ficar pronta. É o que afirmou hoje o diretor da Agência Nacional de Transportes (ANTT), Bernardo Figueiredo. 

O leilão, que rolaria hoje, foi adiado pela falta de interessados até abril. Havia o medo que apenas um consórcio coreano participasse do processo. Antes disso, o Ministério Público queria anulá-lo de qualquer jeito porque não havia estudos o suficiente sobre viabilidade e custo. E empresas estrangeiras, como a Bombardier, estão dizendo que é difícil de fazer a obra no Brasil pela falta de parceiros capacitados. 

Mas bom, em algum momento o trem-bala rolará. Entendemos o "existem outras prioridades", mas é importante que surja alguma outra forma de se locomover entre Rio e São Paulo para que quem ande muito entre os dois principais centros não tenha de enfrentar a por vezes caótica ponte aérea. Quem já teve a sorte de andar por um trem-bala (peguei um no Japão) sabe que ele é tecnologicamente sensacional: rápido, confortável e silencioso. Mas que, no fim das contas, é mais caro que boa parte das passagens de avião pelo o mesmo percurso (apesar de você de certa forma economizar tempo, já que não há check-in e as estações podem ser mais centrais). Vocês acham que a ideia vai vingar por aqui no fim das contas?

Mas ok, este post na verdade foi uma justificativa para mostrar a sensacional montagem do nosso Fabio Bracht sobre trens-bala. Ele joga videogame demais.