O trem mais rápido dos EUA, o Amtrak Acela, viaja de Washington DC a Boston numa velocidade média de 177 km/h, podendo chegar a 240 km/h em algumas partes do trajeto. É bem mais rápido que os trens brasileiros, como a CPTM ou a Supervia, mas é uma lesma quando comparado ao trem Mag-Lev de 500km/h que está sendo desenvolvido pela japonesa JR Tokai.

Chamado de Series Lo, esse protótipo pode levar até mil passageiros nos seus 16 vagões. Assim como outros trens-bala, o Lo se locomove por levitação magnética — isto é, ele é suspenso usando nada além de campos magnéticos.

Os sistemas Mag-Lev são mais desafiadores, do ponto de vista técnico, e caros para se construir do que os trens convencionais, mas a vantagem vem numa viagem muito mais quieta e suave para os passageiros, além de um custo de manutenção bem menor. Como não há atrito entre o trem e os trilhos, os trens Mag-Lev podem atingir velocidades muito superiores a de uma locomotiva com rodas.

Quando esse trem entrar em operação, o que só deve acontecer em 2027, ele fará o percurso entre Tóquio e Nagoya, duas das cidades de alta demanda de transporte situadas ao longo da linha Chuo Shinkansen, que já concentra grande parte do tráfego de trens do país. A viagem de 348km de Tokyo a Nagoya passará de 90 minutos para apenas 40. (De 1h30 para menos de uma hora!) Grande parte do trajeto será feita 40 m abaixo do solo, através de túneis especialmente construídos para isso. Para 2045, as autoridades japonesas já planejam expandir a linha até Osaka — a 500 km/h, levando apenas uma hora para percorrer os 500km entre Tokyo a Osaka.

Quinze anos parecem muito, mas a Mitsubish e a Nippon Sharyo já começaram a construção de 14 modelos pré-produção e cinco vagões de teste, que deverão ser testados já no ano que vem. [Motherboard – Asahi – Business Insider –Wikipedia – Daniel Irimia]