O governo Donald Trump tem feito grandes planos para a NASA nos últimos meses, mas não está com tanta disposição de financiá-la. A Casa Branca, então, decidiu fazer um esquema para esticar o orçamento da agência por mais tempo: enviando as contas da Estação Espacial Internacional (EEI) para qualquer outra pessoa.

• Trump dá sinais de que não acredita no aquecimento global e tira EUA do Acordo de Paris
• A estação espacial chinesa Tiangong-1 colidirá com a Terra nos próximos meses

De acordo com documentos orçamentários analisados pelo The Verge, pelo menos um esboço da proposta de orçamento da Casa Branca propõe encerrar o suporte financeiro dos EUA para a EEI em 2025 – potencialmente mantendo astronautas da NASA presos em nosso planetinha até a agência descobrir o que fazer com eles. Fontes do Verge afirmam que a versão final do orçamento com o corte da EEI deve ser apresentada em 12 de fevereiro.

Os EUA se comprometeram a providenciar de US$ 3 a US$ 4 bilhões à EEI até 2014. Mas cortar o financiamento pode fazer com que outros países que atualmente fazem parte do programa direcionem seus projetos espaciais para outro lugar antes do fim da vida da estação previsto para 2028, quando a quantidade de estresses mecânico e térmico que ela passou durante a vida a tornarão inoperante.

O presidente Trump assinou uma lei no ano passado que obrigou a agência a buscar maneiras alternativas de financiar as operações da EEI, além de direcionar a agência para se preparar para uma missão de volta à Lua como um teste para viajar a Marte. A última opção requer que fundos sejam liberados, alguns dos quais poderiam sair do orçamento destinado a EEI.

Mas, como aponta o The Verge, encerrar o suporte tão cedo pode levar a uma “lacuna de atividades humanas na órbita terrestre baixa”, com menos oportunidades de enviar astronautas, testar novos sistemas e continuar pesquisas sobre a sobrevivência humana em longos períodos no espaço. Empresas de voos espaciais também não querem que a estação fique sem financiamento, porque elas podem perder acesso a uma área de testes.

Estes programas mais ambiciosos, como a base da Lua ou enviar humanos a Marte, necessitariam de recursos muito mais caros do que o financiamento destinado à EEI e dificilmente vão se materializar na forma de investimento governamental no atual clima político. O governo Trump ainda precisa articular um plano coerente para a NASA retornar à Lua ou o que ela fará lá, e mudar financiamentos existentes não irá fazer muito neste período em que ele propõe cortar o orçamento geral da agência.

[The Verge]

Imagem de topo: AP