A TV estatal russa fez uma baita lambança nesta terça-feira (11), enquanto exibia imagens de um fórum de tecnologia voltado para crianças. Um repórter da TV disse ao vivo que o robô Boris, da imagem abaixo, “já aprendeu a dançar e ele não é tão ruim assim”.

O único problema? Boris não é um robô de verdade. Era apenas um homem fantasiado.



Boris pode ser comprado por 250 mil rublos (cerca de R$ 14.500) e é fabricado por uma empresa chamada Show Robots. Ele tem olhos brilhantes, peças de plástico e movimentos impressionantes… Provavelmente porque precisa de um ser humano para funcionar direitinho.

O mistério do falso-robô foi desvendado rapidamente por telespectadores atentos. Eles notaram que um pescoço estava aparecendo no vídeo.

Para ser claro, não há nenhuma indicação de que os organizadores do fórum de tecnologia estivessem tentando enganar alguém. Parece que o apresentador de TV se enganou e acreditou que “Boris” era um “robô moderno”.

A transmissão, que ainda está disponível no canal do YouTube do canal Russia-24, é muito engraçada, especialmente quando você passa a entender o que está acontecendo.

Os organizadores queriam que Boris fosse uma atração divertida para as crianças. Só que, aparentemente, está ficando cada vez mais difícil distinguir o que é real do que é falso.

Como já apontamos antes, robôs como o Atlas, produzido pela Boston Dynamics, já são capazes de algumas acrobacias bem impressionantes. Ou seja, dá para entender que algumas pessoas possam ficar confusas.

Se essa história parece um déjà vu para você, não estranhe. Aqui pelo Brasil, temos o falso robô rebolão, que na verdade é um cara dentro de uma fantasia e que dança axé e sertanejo.

O infame robô Miss Honeywell de 1968 é um outro bom exemplo de enganações. Ele foi considerado a “dona de casa do futuro” e sua demonstração exibia como ele operaria eletrodomésticos na década de 1960. Mas era, obviamente, apenas um humano com uma fantasia azul brilhante e óculos de sol estranhos.

Tem também a história de Alpha, o robô que matou o seu inventor em 1932. O robô pistoleiro foi bem popular na década de 1930, especialmente nos EUA e no Reino Unido.

A lição de hoje é: se algo parece bom demais para ser verdade, é melhor desconfiar.

Mas isso pode mudar qualquer dia desses…

[The Guardian]