De forma meio inesperada, o Twitter anunciou nesta quarta-feira (17) que um conjunto de dados de tuítes, contas e arquivos de mídia associados a iniciativa patrocinados por estados em sua plataforma seriam tornados públicos. Infelizmente, a grande maioria dos dados está disponível apenas para pesquisadores.

• Bug no Twitter pode ter exposto mensagens privadas, mas provavelmente não afetou ninguém

Tanto as contas mais recentes ligadas ao Irã, suspeitas de interferir nas eleições de meio de mandato dos Estados Unidos, quanto os tuítes da Internet Research Agency (chamada normalmente de “fazenda de trolls”), apoiada pela Rússia, com o intuito de mexer com a eleição presidencial norte-americana de 2016, estão incluídos nos dados. No total, o conjunto abrange o trabalho de mais de 4.600 contas, com tuítes indo de caça-cliques políticos óbvios (compartilhamentos do site Breitbart e retuítes de Donald Trump Jr) aos mais mundanos e difíceis de entender (“#TudoDeuErradoQuando o Nirvana parou”).

Imagem: Twitter

O Twitter, no entanto, tomou a precaução de fazer hash com os dados associados com contas que acumulavam menos de cinco mil seguidores, o que significa que elas são bem inúteis em termos de discursos públicos. Essa métrica de corte parece arbitrária, então pedimos uma justificativa do site, mas o Twitter se recusou a comentar isso. Pesquisadores podem pedir versões dos dados sem hash, e, de acordo com a empresa, os dados completos já foram compartilhados com “um pequeno grupo de pesquisadores que conhecem especificamente nesses assuntos”.

Acima de tudo, o conjunto de dados eleitorais do Twitter aponta para a completa falta de padronização em termos de divulgações desse tipo. Acredita-se que a maioria das redes sociais foram manipuladas de alguma forma por potências estrangeiras, e, enquanto o Tumblr simplesmente tornou públicos os nomes de usuário de contas associadas, o Reddit suspendeu e arquivou suas contas patrocinados por estados (ainda que prometendo arquivá-las apenas temporariamente, sem especificar uma duração). O Facebook construiu uma ferramenta para anúncios políticos em sua plataforma — embora os anúncios suspeitos de terem sido comprados por operadores russos tenham sido divulgados por democratas do Senado americano.

Você pode baixar os dados disponíveis ou pedir a versão sem hash aqui.

Imagem do topo: Getty