Dizer que o Twitter Music estreia hoje seria esquecer todo o tempo que Ryan Seacrest e outras celebridades passaram testando o serviço. Mas o serviço de música do Twitter finalmente chegou hoje para os usuários comuns, na web e no iPhone.

Você pode testar o Twitter Music se morar nos EUA, Canadá, Reino Unido, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia. Uma versão para Android e a expansão para mais países – incluindo o Brasil – devem chegar em breve.

O que o Twitter Music oferece? Na verdade, não há muito, ou pelo menos nada que vá surpreender você. Quatro telas ajudam a organizar sua experiência com músicas:

  • Popular: o que a maioria das pessoas está ouvindo;

  • Emergentes: revela “talentos ocultos”, embora não esteja totalmente claro como eles são revelados;

  • Sugeridos: oferece sugestões de música baseadas em quem você segue;

  • NowPlaying: revela as escolhas musicais das pessoas que você segue , em tempo real.

twitter-music (2)

O Twitter Music é um app separado no iOS, em vez de incluir a funcionalidade no app do Twitter em si. E na web, ele existe como quatro guias. Esta é uma experiência com a cara do Twitter, apenas bastante centrada em torno de músicas. Claro que você pode tuitar músicas usando o app, e ir até o perfil das pessoas que você segue para ver o que eles estão ouvindo.

Mas de onde vem a música? Dentro do app para iPhone, você terá prévias de 30 segundos do iTunes (porque aí você pode comprá-las!). Para quem assina Spotify ou Rdio, no entanto, basta fazer login na sua conta e ouvir faixas completas, assumindo que eles estejam disponíveis. O Twitter diz que está procurando outros parceiros de conteúdo, então as opções podem aumentar (Deezer?).

twitter-music (3)

Presumivelmente, o Twitter usa a base do serviço We Are Hunted, que vasculhava a internet para descobrir o que as pessoas estavam ouvindo até o Twitter comprá-lo recentemente. E se pudermos confiar em Ryan Seacrest, Ne-Yo e Moby, o serviço tem sido bastante eficaz até o momento:

A parte mais interessante do Twitter Music, à primeira vista, parece ser a descoberta fácil do que desconhecidos – alguns deles famosos – estão ouvindo em dado momento. A parte menos atraente, por sua vez, é ficar isolada em um app separado (ou em outra aba do navegador). Tenho certeza de que existem dezenas de razões para isso – o site/app ficaria pesado, a interface ficaria confusa – mas é pedir muito ao usuário para abrir outro app a fim de escutar o Rdio, por exemplo, dado que o próprio app já é integrado às redes sociais.

Mas veremos! No mínimo, é uma nova opção de descoberta de música, e mais opções raramente são uma coisa ruim. [Twitter Music e iTunes via Twitter Blog via ABC News]