Usuários do Twitter perceberam, na semana passada, que os termos “bissexual” e “bissexualidade” não estavam retornando resultados na pesquisa dentro da plataforma. Nesta terça-feira (7), a companhia respondeu às críticas recebidas pela comunidade LGBTQ se desculpando e culpando um “problema técnico” para o erro. De acordo com a resposta, eles estavam utilizando uma lista desatualizada de termos que estavam associados por pornografia para determinar o que constituía material sensível.

• Esta conta no Twitter está postando imagens encontradas no computador de Bin Laden
• Funcionário desativa conta de Donald Trump em seu último dia de trabalho no Twitter

Em uma série de tweets, a conta de suporte oficial do Twitter explicou o porquê de “certas palavras relacionadas à sexualidade não apareciam em resultados completos”. A nova política de mídia do Twitter inibe a exibição de conteúdos sensíveis. Para determinar o que é sensível, a plataforma diz que utiliza diversos “sinais”, um deles sendo uma lista de termos que “frequentemente aparecem junto com conteúdo adulto”. “Muitas dessa palavras na lista não são inerentemente explícitas, e é por isso que elas precisam ser utilizadas juntas com outros sinais para determinar se o conteúdo é sensível”, disse o Twitter, antes de admitir que a lista estava “desatualizada” e que ela “não passou por manutenção e incluiu incorretamente termos que são primariamente utilizados em contextos não-sensíveis”.

Uma pesquisa por vídeos com a palavra “bissexual”, realizada no Twitter nesta terça-feira (7). Captura de Tela: Twitter

O Twitter afirmou que atualizou a lista e que realizará mudanças nas próximas 24 horas. Parece que as alterações realizadas pela plataforma começaram a ter efeito: na manhã desta terça-feira, uma pesquisa por “bissexual” no site realizada pelo Gizmodo mostrou três fotos e nenhum vídeo.

O Twitter começou a derrubar conteúdo sensível enquanto implementa duras regras contra assédio sexual. As mudanças foram inspiradas pelo protesto #WomenBoycottTwitter (#MulheresBoicotamTwitter, em tradução livre), que foi uma resposta à suspenção da conta de Rose McGownan depois que ela publicou sobre abusos sexuais. Bloquear um termo sobre orientação sexual, no entanto, é um problema óbvio.

“Todo ativista bi sabe dos problemas de pesquisar por conteúdo bissexual na internet e alguns sistemas de WiFi público os bloqueiam completamente, mesmo quando não tem nada a ver com sexo, pelo fato de bissexual ser visto como uma palavra duvidosa por si só”, comentou Kate Harrad, do The Bisexual Index, à BBC, na semana passada. “É por isso que o Twitter precisa ser muito sensitivo a qualquer filtro que reduza o acesso ao conteúdo bissexual, e muito atento ao problema do apagamento bissexual”.

A empresa não respondeu aos pedidos do Gizmodo para mais comentários sobre o erro técnico e da solicitação dos outros termos que fazem parte dessa lista. Mas uma rápida pesquisa mostrou que muitos termos que, como o Twitter disse, “frequentemente aparecer junto com conteúdo adulto”, não retornaram resultados para fotos, vídeos ou notícias no site.

Imagem do topo: Getty