A Uber anunciou na última sexta-feira (11) que vai adquirir a participação majoritária da Cornershop. A starup chilena oferece serviços de entregas de supermercado em casa e está presente no Chile, México, Peru e Canadá (apenas em Toronto).

Não foram divulgados valores envolvidos na negociação, mas a Walmart já havia tentado adquirir a Cornershop por US$ 225 milhões. No entanto, o aplicativo oferece entregas de produtos da varejista e os reguladores do México consideraram que tal aquisição resultaria em desvantagens competitivas para outras empresas atendidas na plataforma.

Com a compra, a Uber reforça o seu braço da Uber Eats, que já oferece delivery de comida (porém, apenas de restaurantes) e mostra que está, de fato, trabalhando em uma repaginação da marca. A empresa já havia afirmado anteriormente que pretende deixar de ser apenas um aplicativo de corrida para se tornar “um sistema operacional para o dia a dia”.

Um dos seus movimentos mais recentes que mostra essa diversificação de serviços, por exemplo, foi o anúncio do Uber Works para oferecer empregos temporários. Ou seja, além de cortar custos demitindo parte considerável do seu quadro de funcionários, parece que a Uber está apostando em tudo para recuperar sua imagem de antes, tão valorizada pelos investidores.

Segundo comunicado da empresa, o acordo com a Cornershop ainda depende de aprovações regulatórias, mas a expectativa é que o investimento seja fechado no início de 2020.

O comunicado ainda diz que a Cornershop continuará com a mesma liderança, mas passará a responder a um conselho com representação majoritária da Uber.