A Uber anunciou hoje, em Barcelona, o lançamento do UberEats: um serviço de entrega de refeições. Com o slogan “De faminto para feliz em dez minutos”, o aplicativo promete entregar alimentos de restaurantes locais em até 10 minutos.

A Uber uniu forças com o Plateselector, um site de gastronomia de Barcelona, para selecionar os restaurantes que farão parte do serviço que promete ser atualizado regularmente. Para pedir uma refeição, o usuário usa o mesmo aplicativo que pede táxis — um menu para almoço e jantar estará disponível nele. A cidade de Barcelona pode ser uma escolha estranha, mas vale lembrar que a ela receberá o Mobile World Congress — um dos maiores congressos da indústria celular do mundo — dentro de duas semanas e, com isso, atrairá mais de 30 mil participantes que poderão testar o UberEats.

>>>As muitas polêmicas do Uber, serviço que quer acabar com os táxis

Não é a primeira vez que a empresa de táxis alternativos se aventura no mercado de delivery: em 2014 um projeto parecido foi lançado em Los Angeles sob o nome de UberFresh. O UberEats, no entanto, marca o primeiro serviço de entrega de refeições que a companhia inaugura fora dos Estados Unidos. Além de transporte e delivery de alimentos, a empresa possui o UberRUSH, serviço de frete disponível apenas em Nova York. No final de 2014, a Amazon fez testes com o Uber para entregar produtos.

A empresa já encontrou problemas em diversos países, chegando até a ser banida de Nova Délhi — após um motorista ser acusado de estuprar uma passageira — e da França, após um pedido (e protestos) de taxistas no país. No Brasil, o serviço chegou em 2014 em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, em apenas uma categoria: o UberBlack, que funciona como uma espécie de motorista particular (o que o diferencia de um serviço de táxi comum).

O post sobre o lançamento do UberEats não informa sobre a disponibilidade do produto em outros países ou localidades, mas inaugurá-lo em um dos maiores congressos de tecnologia celular do mundo deixa aberta a possibilidade. Acho difícil um delivery de dez minutos no Brasil, ainda mais em São Paulo, mas será interessante ter mais uma opção para pedir comida por um aplicativo do celular, sem precisar falar com ninguém. [VentureBeat via Uber]