O Uber lança nessa sexta-feira (12), em São Paulo, uma nova categoria do aplicativo que conecta passageiros a motoristas particulares: o UberX oferece corridas mais baratas e opções de carros mais simples que a categoria UberBlack, dedicada a carros mais luxuosos e com tarifas mais altas.

Com o UberX, o Uber que custa pouco (como a empresa o chama), conecta usuários do aplicativo a uma maior variedade de motoristas, com modelos de carros mais simples, além de oferecer valores mais em conta que a categoria original.

O UberX cobra uma tarifa base de R$ 3, mais R$ 0,35 por minuto de viagem e R$ 1,43 por km rodado. Enquanto isso, o UberBlack cobra uma taxa base de R$ 5, mais R$ 0,40/min e R$ 2,42 por km rodado. O valor da viagem fica até 30% mais barato com a nova categoria.


Até então, o UberX (à esquerda) oferece menos carros que a categoria original, o UberBlack (à direita).

Enquanto o UberBlack permitia que apenas donos de carros sedãs, da cor preta e modelos a partir de 2010 (como o Honda Civic e o Ford Fusion) se cadastrassem no serviço, o UberX permite que motoristas donos de carros compactos, de qualquer cor e modelo, fabricados a partir de 2008 se cadastrarem como um motorista do serviço. O site cita exemplos de modelos que podem ser cadastrados no serviço: Chevrolet Cobalt, Nissan Versa e Hyundai i30.

As mesmas solicitações e checagens são feitas para motoristas interessados em se cadastrar no serviço: é necessário ter mais de 21 anos, ter carteira de motorista e autorização para exercer atividade remunerada. A empresa também checa antecedentes criminais e solicita que o motorista tenha um seguro que cubra o carro e o passageiro.

uberxtype

Uber vs. taxistas

Guilherme Telles, diretor geral do Uber no Brasil, diz ao Estadão que a inclusão do UberX se trata de uma resposta aos motoristas e usuários do aplicativo:

“Havia motoristas que queriam complementar a renda com o Uber, mas o carro não cumpria as exigência anteriores. Ao mesmo tempo, havia usuários que queriam ter experiência do aplicativo, mas com carros mais simples, para ser mais barato”

É uma nova opção aos usuários do Uber e mais dor de cabeça aos taxistas: em abril, a classe protagonizou um protesto em diversas cidades pedindo a proibição do aplicativo e o fim das atividades da empresa no Brasil. Uma decisão na justiça chegou a suspender as atividades do Uber, mas ela foi revertida pouco tempo depois.

A companhia alega não ser uma empresa de transporte, e sim uma empresa de tecnologia que conecta passageiros a motoristas particulares. Os taxistas, no entanto, a veem como uma empresa de transporte que descumpre a lei ao exercer a atividade sem autorização. Uma nova audiência está marcada para o dia 18, em Brasília, para discutir a legalidade do Uber no Brasil.

O Brasil não é o primeiro e dificilmente será o último país que tem problemas com o aplicativo, que já chegou até mesmo a ser banido de alguns países, por motivos que variam de protestos de taxistas a abusos sexuais por parte dos motoristas. [Estadão]