por Daniel Junqueira

Não é de hoje que vemos estudos sobre como jogos eletrônicos podem ajudar nosso cérebro, e uma empresa chamada Akili Interactive Labs diz ter desenvolvido um jogo para ajudar no tratamento do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).



>>> Como videogames podem ajudar nossos cérebros

O TDAH é um transtorno relativamente comum – a Associação Brasileira do Déficit de Atenção diz que ela atinge entre 3% e 5% das crianças do mundo. Seus sintomas são desatenção, hiperatividade e impulsividade, principalmente. Ela prejudica o desempenho de crianças em idade escolar e, se não for devidamente tratada, pode permanecer com a pessoa na vida adulta, atrapalhando também o desempenho profissional.

A Akili Interactive, que recentemente conseguiu um investimento de US$ 30,5 milhões, desenvolveu um jogo para smartphones e tablets para ser jogado por crianças durante o tratamento da TDAH. A ideia é mais ou menos a de substituir remédios por jogos. Crianças costumam gostar mais de jogar do que de se medicar, então se realmente cumprir o que promete, a Akili pode ter uma ferramenta poderosa para o combate à TDAH.

O jogo se chama Project: EVO e não é lá muito complicado: nele, os jogadores se movimentam dentro de um ambiente virtual e precisam selecionar alguns objetos específicos, enquanto desviam dos outros. A descrição pode lembrar praticamente todos os jogos que existem, mas seus desenvolvedores garantem que ele é mais do que isso. O Project: EVO desafia os jogadores a gerenciar prioridades dentro de um mundo de informações diversificadas, treinando o cérebro da pessoa para conseguir fazer isso com mais facilidade do que faz normalmente.

Ainda não há nenhuma comprovação de que de fato o jogo contribua no tratamento de TDAH, então é sempre bom manter um pouco de ceticismo em relação a isso. A Akili realizou um estudo em pequena escala que mostrou melhoras cognitivas em crianças que entraram em contato com o Project: EVO, mas eles ainda buscam evidências mais fortes dos benefícios do jogo.

[Wall Street Journal]