Talvez, em algum momento da sua infância, você tenha brincado com um kit de química para crianças. Ele até era legal, mas perto deste criado pelo bioengenheiro indiano Manu Prakash, vai parecer a coisa mais sem graça do mundo.

Prakash criou o protótipo vencedor de um concurso de brinquedos científicos patrocinado pela Fundação Gordon and Betty Moore e pela Society for Science & the Public. Ele usa canais de micro fluidos – como os encontrados em chips modernos de DNA – para mover produtos químicos e juntá-los, e também aqueles cartões perfurados dos primórdios da computação, que auxiliam no controle dos experimentos.



O funcionamento é espetacular: a criança (pode ser uma criança no corpo de um adulto, também) mexe uma manivela, fazendo com que o cartão perfurado atravesse o dispositivo. O padrão do cartão perfurado é lido e convertido para saber quais são os produtos químicos que devem ser combinados – isso ativa pequenos chips com reservatórios de fluidos que podem armazenar até 15 produtos diferentes. É tudo mecânico, sem necessidade de bateria nem nada.

Prakash tem uma ótima visão de como fazer a ciência mais acessível e divertida – foi a equipe dele que desenvolveu aquele microscópio de papel que pode ser montado por qualquer pessoa. Este kit de química, mesmo que voltado para crianças, pode divertir qualquer adulto por aí. [Wired]