Uma maneira interessante de dar fim aos celulares velhos

O que você faz com seus celulares velhos? No Brasil, não sei exatamente por quê, muita gente guarda tijolões - achei um StarTAC na casa da minha mãe outro dia desses. Um dos motivos é que é difícil encaminhá-los para doação no Brasil. Há poucos e mal divulgados centros de recolhimento, nenhuma campanha rolando para encorajar. Poderíamos fazer uma coisa parecida com os EUA. Encomendei uma muamba por aqui e ela chegou com esse envelope, de envio pré-pago.

O que você faz com seus celulares velhos? No Brasil, não sei exatamente por quê, muita gente guarda tijolões – achei um StarTAC na casa da minha mãe outro dia desses. Um dos motivos é que é difícil encaminhá-los para doação no Brasil. Há poucos e mal divulgados centros de recolhimento, nenhuma campanha rolando para encorajar. Poderíamos fazer uma coisa parecida com os EUA. Encomendei uma muamba por aqui e ela chegou com esse envelope, de envio pré-pago.

A ideia: você recebe um envelope plástico (se sua loja não apoia a causa, você pode baixar e imprimir o .pdf) e envia de volta, sem custo, um telefone velho. A Cell phones for soldiers encaminha os aparelhos para reciclagem e, com a grana, consegue cartões telefônicos internacionais pré-pagos para que os soldados americanos longe de casa liguem para casa mais vezes.

O mais impressionante é que a organização, hoje grande, foi criada em 2004 por dois irmãos, de 13 e 12 anos de idade. Exatamente. Brittany e Robbie Bergquist começaram com isso em Lowell, Massachusetts, quando eram moleques. Hoje já são apoiados por muita gente e empresas grandes. Há outras iniciativas menores, como organizações que arrecadam jogos de videogame para as tropas, ou jogos de tabuleiro. O princípio é que a moral das tropas é importante. E por mais que a maioria das pessoas seja contra, por exemplo, a ocupação do Iraque, todo mundo dá valor aos soldados. 

Tá certo que a nossa lembrança mais recente com os militares tem a ver com a ditadura. Mas já passou da hora da gente dar mais valor às três armas. O que a gente faz em favor das nossas tropas no Haiti, que tem uma missão bem mais bem intencionada, por exemplo? Alguém conhece iniciativas parecidas por aqui? Avise que divulgamos.

Sair da versão mobile